Amazon desenvolve aparelho para vestir capaz de ler emoções

Tecnologia poderia aconselhar usuário sobre como interagir melhor com os outros

Matt Day
Nova York | Bloomberg

A Amazon está desenvolvendo um aparelho vestível, comandado por voz, que será capaz de reconhecer emoções humanas.

O aparelho, para ser usado no pulso, é descrito como produto de saúde e "wellness", em documentos internos da empresa vistos pela reportagem. É uma colaboração entre a Lab126, a organização de desenvolvimento de hardware por trás do celular Fire e do alto-falante inteligente Echo, e a equipe de software responsável pela Alexa, a assistente digital da Amazon.

Projetado para funcionar com um app para smartphone, o aparelho tem microfones combinados a software capaz de discernir o estado emocional do usuário com base em sua voz, de acordo com documentos e com uma pessoa informada sobre o programa.

No futuro, a tecnologia poderia aconselhar o usuário sobre como interagir mais efetivamente com os outros, mostram os documentos.

 

Não se sabe em que ponto o desenvolvimento do projeto está, ou se ele virá a se tornar um produto comercial. A Amazon dá às suas equipes grande latitude para experimentar com produtos, alguns dos quais jamais chegam ao mercado.

O trabalho no projeto, cujo codinome é Dylan, continuava, recentemente, de acordo com documentos e com a fonte, que pediu que seu nome não fosse mencionado por estar discutindo um assunto interno da empresa.

Um teste beta está em curso, ainda que não esteja claro se inclui um protótipo de hardware, o software que detecta emoções, ou ambos.

A Amazon se recusou a comentar.

Ficção científica vs. realidade

A ideia de construir máquinas capazes de compreender as emoções humanas é um tema já antigo na ficção científica, dos contos de Isaac Asimov ao androide Data, da série "Star Trek".

Em meio a avanços no aprendizado por máquina e no reconhecimento de voz e imagem, o conceito recentemente se aproximou da realidade.

Empresas como Microsoft, Google (do grupo Alphabet) e IBM, entre muitas, estão desenvolvendo tecnologias concebidas para determinar estados emocionais com base em imagens, dados sonoros e outros registros.

A Amazon já mencionou publicamente seu desejo de criar um assistente digital comandado por voz e dotado de características mais humanas.

A tecnologia pode ajudar a empresa a obter insights para possíveis produtos de saúde, ou ser usada para testar direcionamento publicitário ou recomendações de produtos. O conceito deve engrossar o debate sobre a quantidade e tipo de dados pessoais recolhidos pelos gigantes da tecnologia, que já coletam grande volume de informação sobre seus usuários.

Alguns meses atrás, a Bloomberg noticiou que a Amazon tinha uma equipe para ouvir e anotar arquivos de áudio capturados pela linha Echo de alto-falantes inteligentes da empresa.

Uma solicitação de patente apresentada em 2017 nos Estados Unidos descreve um sistema no qual um software de voz usa análise de padrões vocais a fim de determinar o que um usuário está sentindo, discernindo entre "alegria, pesar, tristeza, medo, repulsa, tédio, estresse e outros estados emocionais".

A patente, revelada no ano passado, indica que a Amazon poderia usar o conhecimento sobre as emoções do usuário para recomendar produtos ou individualizar respostas.

Um diagrama que consta do pedido de patente informa que a tecnologia é capaz de detectar uma condição emocional anormal e mostra uma mulher dizendo a Alexa, em meio a espirros, que está com fome.

A assistente digital, detectando que a mulher está resfriada, pergunta se ela quer uma receita de canja de galinha.

Sem ruídos

Uma segunda patente concedida à Amazon menciona um sistema que usa técnicas para distinguir a fala do usuário dos ruídos de fundo. Documentos internos da Amazon mostram que o aparelho vestível tirará vantagem desse tipo de tecnologia.

O trabalho da Amazon em um aparelho vestível revela suas ambições de se tornar um dos maiores produtores de software avançado de reconhecimento de fala, e também de bens eletrônicos de consumo.

 linha de alto-falantes inteligentes Echo e seu software Alexa de comando por voz popularizaram o uso de sistemas de comando por voz em casa. A empresa também adicionou controle por voz à linha Fire de aparelhos para streaming de vídeo em televisores, bem como aos seus tablets.

Mas os esforços da Amazon para criar um software para smartphones capaz de combater os produtos dos rivais Apple e Google fracassaram. Por isso a empresa está tentando tornar o sistema Alexa onipresente de outras maneiras.

A Bloomberg noticiou alguns meses atrás que a Amazon estava desenvolvendo fones de ouvido sem fio semelhantes aos AirPods da Apple, e o aparelho deve incluir o software Alexa.

A empresa começou a distribuir o Echo Auto, um conjunto de alto-falante e microfones para instalação no painel de veículos; o sistema se conecta a um smartphone, e a Amazon diz ter recebido um milhão de pré-encomendas.

A Amazon também vem trabalhando em um robô doméstico.

Sob o codinome "Vesta", a deusa romana do lar, casa e família, o robô seria uma espécie de Alexa móvel, de acordo com pessoas informadas sobre o projeto.

Protótipos do robô podem navegar dentro de casas mais ou menos como um carro autoguiado faz nas ruas.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.