Descrição de chapéu Financial Times

Facebook revela nova investigação antitruste da Comissão Federal do Comércio

Empresa já pagou US$ 5 bilhões à mesma agência, por violações de privacidade de usuários

Hannah Murphy
Financial Times

O Facebook revelou que a Comissão Federal do Comércio (FTC) dos Estados Unidos lançou uma investigação antitruste formal sobre a companhia de mídia social, horas depois de esta ter aceito um acordo que envolve pagamento recorde de US$ 5 bilhões à mesma agência, por violações de privacidade de usuários.

A empresa revelou a nova investigação ao mesmo tempo em que anunciou seus resultado para o segundo trimestre, que mostraram receita um pouco acima da esperada mas uma queda nos lucros causada principalmente pelo pagamento à FTC.

O Facebook anunciou na quarta-feira que a FTC lançou uma investigação antitruste em junho, o que representa a mais recente em uma série de medidas regulatórias contra a companhia.

"O setor de tecnologia online e nossa empresa receberam escrutínio regulatório ampliado no trimestre passado", afirmou o Facebook.

Empresa já pagou US$ 5 bilhões à mesma agência, por violações de privacidade de usuários - Philippe Lopez/AFP

No mês passado, a FTC e o Departamento da Justiça, o outro regulador importante das questões de concorrência nos Estados Unidos, chegaram a acordo quanto a uma divisão de responsabilidades pela investigação das empresas de tecnologia individuais, com o Departamento da Justiça assumindo a jurisdição sobre Google e Apple e a FTC se encarregando do Facebook e Amazon.

Esta semana, o Departamento da Justiça também anunciou uma grande investigação antitruste sobre as principais plataformas online, na qual o Facebook declarou estar incluído, na quarta-feira.

Em seu comunicado sobre resultados, a empresa anunciou que reservaria US$ 2 bilhões para cobrir o restante do valor da multa da FTC, depois de ter formado uma reserva de US$ 3 bilhões para este fim ao anunciar seu resultados do primeiro trimestre, em abril.

A provisão extraordinária prejudicou o lucro, que caiu para 91 centavos de dólar por ação, bem abaixo da projeção média de US$ 1,85 dos analistas de Wall Street, de acordo com dados compilados pela S&P Capital IQ.

Desconsiderada a provisão, o lucro por ação teria superado a projeção de consenso, chegando a US$ 1,99, de acordo com o Facebook. As ações da companhia subiram em mais de 1% depois do anúncio dos resultados, com os mercados já fechados.

A receita no segundo trimestre atingiu os US$ 16,9 bilhões, com alta de 28%, superando os US$ 16,5 bilhões projetados pelos analistas. O número de usuários ativos do Facebook ao dia ficou em média em 1,59 bilhão, em junho de 2019, 8% acima do período um ano antes e confirmando o consenso das análises.

O lucro líquido no trimestre ficou em US$ 2,6 bilhões, 49% abaixo do resultado do período em 2018.

Notícias da investigação formal pela FTC surgiram no mesmo dia em que a agência anunciou que o FTC havia aceito um acordo para pagar uma multa de US$ 5 bilhões por violações de privacidade, a maior penalidade civil que a comissão já impôs.

Como parte da investigação, lançada por conta do escândalo da Cambridge Analytica, o Facebook também concordou em adotar novas proteções à privacidade, entre as quais auditorias regulares de privacidade e um novo comitê independente de privacidade.

Financial Times, tradução de Paulo Migliacci

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.