Huawei Brasil investiga ofensa a Apple e post com 'Vai Comunismo!' no Twitter

Empresa afirma que houve uso indevido de suas redes sociais durante a madrugada

São Paulo

O perfil da Huawei Mobile BR, dedicado a anunciar novidades sobre os dispositivos móveis da marca no Brasil, exibiu duas mensagens durante a madrugada desta quinta-feira (28) que resultaram em uma investigação interna na empresa. 

Em um post, o perfil da marca dizia: "Chegou a Black Friday. FODA-SEEE. Nem assim pobre vai poder comprar nossos aparelhos. VAI COMUNISMO!".

Logo depois, o perfil cutucou a Apple, rival na venda de smartphones. Após usar alguns palavrões mencionando a empresa americana, o post dizia "Motherfuckers, suck my dick! We are the best!" (Filhos da mãe, chupem meu pau! Nós somos os melhores!, na tradução do inglês).

Perfil da Huawei Mobile BR no Twitter; empresa investiga uso indevido de sua conta - Reprodução

A companhia apagou as duas publicações. Depois, uma terceira mensagem pedia desculpas e antecipava a Black Friday, programada para esta sexta-feira (29).

"Como sinceras desculpas, hoje em nossos quiosques oficiais os clientes terão surpresas e descontos em nossos produtos." Essa publicação também foi posteriormente deletada.

Presente no Brasil há mais de 20 anos no mercado de infraestrutura para telecomunicação, a Huawei voltou a vender smartphones no país em maio, depois de uma ausência de quatro anos no mercado.

Os preços da linha de reestreia, a P30, variam de R$ 1.200 a R$ 5.500. Ao reingressar nesse setor, a marca fez parcerias com lojas que davam até R$ 2.000 de desconto na oferta de smartphones.

Em nota, empresa afirma que identificou um uso indevido da conta da Huawei Brasil no Twitter na madrugada desta quinta e que investiga o ocorrido.

"A companhia reforça ainda que respeita o público e os concorrentes e desaprova qualquer comentário agressivo a quaisquer empresas", afirmou.

Nos últimos meses, o governo brasileiro tem recebido pressão dos Estados Unidos para que impeça a chinesa de concorrer no mercado de tecnologia 5G, cujo leilão está previsto para 2020.

O governo americano fez sanções à companhia chinesa e a acusa de espionagem. A empresa nega a prática e rebate que os EUA nunca apresentaram provas.

Nesta quarta (28), a superintendente da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), Karla Ikuma, indicou que o Brasil não pretende impor travas à fabricante.

O novo presidente-executivo da Huawei no Brasil, Yao Wei, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro no dia 18 de novembro. A chinesa é hoje a maior fornecedora de equipamentos de rede de telefonia no mundo. Mais da metade das operadoras usa essa tecnologia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.