Facebook admite que monitora localização de usuários mesmo com função desativada

Empresa diz que medida se deve por razões de segurança e tem objetivos publicitários

San Francisco | AFP

O Facebook admitiu que coleta dados de localização de cada um de seus usuários, mesmo com a função de geolocalização desativada, por razões de segurança mas também com objetivos publicitários.

“Inclusive sem a ativação dos serviços de localização, o Facebook ainda pode saber onde o usuário está com base em informações que ele e outros fornecem através de suas atividades e conexões com nossos serviços”, diz a rede social em carta de 12 de dezembro enviada ao senador democrata Chris Coons e ao republicano Josh Hawley, do Congresso americano.

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg
O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg - Liu Jie - 23.out.2019/Xinhua

O documento foi divulgado nesta terça-feira (17) no perfil Twitter de uma repórter do jornal americano The Hill.

Hawley retuitou a publicação da jornalista e escreveu: “Facebook admite. Você apaga os serviços de localização mas eles sabem onde você está para ganhar dinheiro”.

“Não há como escapar. Não há controle sobre sua informação pessoal. Isto é a Grande Tecnologia. É por este motivo que o Congresso precisa agir.”

Os senadores fizeram um requerimento sobre práticas de localização do Facebook em uma carta de 19 de novembro. 

Na resposta veiculada nesta quarta, o Facebook destaca que coleta dados de geolocalização de três maneiras: pelo compartilhamento autorizado na plataforma (quando o usuário consente em repassar essa informação), por atividades como check-in ou marcação de amigos (mesmo que o usuário não tenha habilitado o repasse da localização) e pelo endereço IP.

Quando uma pessoa ingressa no Facebook, ela tem a opção de autorizar a coleta de sua localização por GPS, fornecendo dados em tempo real ao aplicativo.

Se desativar essa função, o Facebook ainda consegue coletar dados a partir de atividades do usuário, como na confirmação em eventos, na marcação de fotos de amigos ou na localização publicada junto a imagens ou posts.

Já por meio do endereço IP, a empresa pode identificar a localização da pessoa sem precisão. Ainda assim, consegue distinguir a região de acesso à rede. Isso explica porque um usuário com a geolocalização desativada recebe anúncios publicitários de empresas de São Paulo.

O modelo de negócios do Facebook, que também é detentor do Messenger, do Instagram e do WhatsApp, é baseado na ultrassegmentação de anúncios publicitários.

No documento aos congressistas, a empresa informa que para garantir um tratamento responsável e em conformidade com as opções das pessoas, criou um time de engenharia dedicado a gerenciar a infraestrutura que usa para processar esse tipo de dado.

A companhia diz tratar essas informações com diferentes níveis de granularidade. Se alguém não autoriza o serviço de localização em seu dispositivo, o Facebook diz que processa só dados brutos (como cidade ou CEP) derivados do IP ou de outras redes de informação para aquela pessoa —“mesmo que uma localização mais granular pudesse teoricamente ser determinada a partir de um endereço IP”, afirma no documento.

Desde 2018, quando estourou o caso da Cambridge Analytica, o Congresso americano intensificou a pressão sobre a companhia. A empresa responde a questionamentos sobre influência em processos democráticos e, mais recentemente, pelo consórcio criado para disseminar uma criptomoeda

O grupo obtém dados pessoais de todos os tipos sobre seus mais de 2 bilhões de usuários frequentes em ao menos uma das plataformas.

Em seus termos de uso, o Facebook diz que quando os serviços de localização e o histórico estão desativados, ainda pode “entender a localização usando coisas como check-ins, eventos e informações sobre conexão com a internet.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.