Afetada pela pandemia, Airbnb perdeu US$ 3,9 bilhões no quarto trimestre de 2020

Relatório que mostra prejuízo é o primeiro da companhia como empresa de capital aberto

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Preetika Rana
The Wall Street Journal

A Airbnb Inc. divulgou um grande prejuízo no quarto trimestre de 2020 em seu primeiro relatório de receitas como empresa de capital aberto, pois os custos ligados à sua estreia no mercado encerraram um ano em que a pandemia de coronavírus arrasou a indústria de viagens.

A companhia de compartilhamento de casas relatou um prejuízo de US$ 3,9 bilhões no trimestre que terminou em dezembro, incluindo uma despesa de US$ 2,8 bilhões em pagamentos a funcionários em ações, ligada a sua oferta pública inicial no trimestre. Isso se comparou a um prejuízo de US$ 351 milhões no mesmo período um ano antes. A última perda elevou o deficit anual da empresa a US$ 4,6 bilhões, mais que seus prejuízos somados dos quatro anos anteriores. A perda superou a previsão média dos analistas pesquisados pela FactSet.

Escritório da Airbnb em São Francisco, Califórnia - Gabrielle Lurie - 22.fev.2018/Reuters

A receita superou as expectativas de Wall Street. A Airbnb viu sua receita evaporar nos primeiros meses da crise sanitária, mas isso começou a mudar quando dezenas de pessoas usaram a plataforma para planejar viagens curtas no verão. A receita no quarto trimestre caiu 22% ano a ano, para US$ 859 milhões. A receita no ano todo diminuiu 30%, para US$ 3,3 bilhões. Analistas pesquisados pela FactSet esperavam que a receita no quarto trimestre diminuísse 33% e a anual, 32%.

A Airbnb tem sido o caso anormal em uma indústria de viagens geralmente deprimida. O executivo-chefe Brian Chesky inverteu com sucesso a estratégia da companhia para se concentrar em pousadas rurais, enquanto os hotéis nas grandes cidades sofriam dificuldades. Ao mesmo tempo, ele cortou um quarto dos funcionários, pausou operações não centrais e cortou o amplo orçamento de marketing da empresa para reduzir as despesas.

O aumento de receita, combinado com cortes de custos profundos, ajudou a Airbnb a produzir lucro no terceiro trimestre, aumentando a confiança dos investidores antes de sua IPO em dezembro. As ações da Airbnb subiram quase duas vezes em relação ao preço inicial. A capitalização de mercado da companhia de mais de US$ 100 bilhões a torna mais valiosa que a Marriott International, a Hilton Worldwide Holdings e a Hyatt Hotels combinadas.

As despesas anuais da Airbnb subiram 31%, para US$ 6,97 bilhões, nas costas de despesas ligadas à IPO no quarto trimestre. Mas as despesas em cada categoria —de desenvolvimento de produtos a operações e suporte— foram menores antes de contabilizar o pagamento de funcionários em ações. Por exemplo, os custos de vendas e marketing da Airbnb diminuíram 66% em 2020, comparados com o ano anterior, excluindo-se a compensação em ações para empregados dessa divisão. Eles subiram 44% incluindo esses custos.

As companhias muitas vezes apontam para uma métrica ajustada que as livra desses custos. O prejuízo ajustado da Airbnb antes de juros, taxas, depreciação e amortização baixaram para US$ 251 milhões, de US$ 253 milhões no ano anterior. Seu prejuízo no quarto trimestre nessa base diminuiu para US$ 21 milhões, de US$ 276 milhões um ano antes.

Enquanto o terceiro trimestre é o mais movimentado para a Airbnb —a empresa gerou lucro nesse período desde 2018, incluindo durante a pandemia—, o primeiro trimestre é o mais lento. A Airbnb disse que espera que as reservas nos três meses até março sejam melhores do que no mesmo período do ano passado, quando começou a crise de saúde, mas abaixo dos níveis de 2019.

A companhia disse que espera gastar mais em marketing e desenvolvimento de produtos como porcentagem da receita no primeiro semestre deste ano do que no segundo, mas pretende manter os custos abaixo dos níveis anteriores à pandemia.

O rápido crescimento da Airbnb incluiu uma parcela de desafios. Donos de casas do Arizona à Flórida e Massachusetts fazem campanhas por leis que regulamentem os aluguéis de curto prazo devido a preocupações sobre ruído, crime e depreciação acentuada dos imóveis.

Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.