Descrição de chapéu Facebook Meta

Facebook recorre de decisão do Reino Unido para venda da Giphy

Foi a primeira vez que o regulador britânico bloqueou uma grande aquisição no setor

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paul Sandle
Londres | Reuters

A Meta, proprietária do Facebook, está apelando da decisão da Grã-Bretanha de que deve vender a plataforma de imagens animadas Giphy, dizendo que as evidências não apóiam a conclusão de que o negócio é uma ameaça para seus rivais ou pode impactar a concorrência na publicidade gráfica.

Em novembro, a Autoridade de Concorrência e Mercados da Grã-Bretanha (CMA) ordenou que a Meta vendesse a Giphy, que ela adquiriu por US$ 400 milhões em maio de 2020, após ter decidido que as soluções oferecidas pela empresa dos Estados Unidos não respondiam às suas preocupações.

Foi a primeira vez que o regulador britânico bloqueou uma grande aquisição no setor e isso sinalizou uma mudança radical em seu posicionamento sobre grandes empresas de tecnologia.

Logo da Meta, novo nome da companhia antes conhecida como Facebook, em sua sede na Califórnia - Carlos Barria - 28.out.2021/Reuters/File Photo

"Estamos apelando da decisão do CMA sobre o Giphy e buscaremos a suspensão da ordem de desinvestimento", disse um porta-voz da Meta nesta quinta-feira (23).

Metade do tráfego da enorme biblioteca de imagens do Giphy vem das plataformas da Meta, como Facebook, Instagram e WhatsApp. Os GIFs também são populares entre os usuários do TikTok, Twitter e Snapchat, e o CMA estava preocupado com a possibilidade de a Meta limitar o acesso ou forçar os rivais a fornecerem mais dados dos usuários.

A empresa disse que não mudaria os termos de acesso dos concorrentes, nem coletaria dados adicionais do uso de GIFs, que não possuem mecanismos de rastreamento online, como pixels ou cookies.

O CMA rejeitou o recurso, que Meta se ofereceu para tornar juridicamente vinculativo, em parte porque exigiria monitoramento contínuo.

O regulador também manifestou preocupação de que a Meta poderia fechar o negócio de publicidade incipiente da Giphy, removendo uma fonte potencial de competição.

A companhia disse que o negócio de publicidade da Giphy não teve sucesso e, se ela tivesse o potencial de se tornar um grande concorrente, seu modelo poderia ser replicado por qualquer outro provedor de GIF.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.