Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/12/2010 - 04h53

Gran Turismo com cara de falsificado é vendido pela Sony no Brasil, reclamam consumidores

Publicidade

AMANDA DEMETRIO
DE SÃO PAULO

Atualizado às 18h44.

Consumidores pagaram até R$ 200 por exemplares oficiais do jogo Gran Turismo 5 --lançado no início de dezembro-- que vieram com aspecto de falsificado, segundo apurou a Folha, que conversou com alguns deles.

Eles adquiriram um exemplar oficial do jogo em três lojas diferentes e as reclamações foram muitas: estampa do Blu-ray com cara de falsificada, marcas de dedos nas mídias que estavam teoricamente lacradas, manuais mal impressos e caixas genéricas. O jogo em si --o software-- funciona bem, mas os consumidores que pagaram até R$ 200 pelo game exigem ótima qualidade em todos os aspectos.

Wellington Terumi Uemura foi o primeiro leitor a procurar o jornal com reclamações, pouco tempo após o lançamento do game. Uemura conta que adquiriu o jogo na loja UZ Games do Shopping de Guarulhos e pagou R$ 199 pelo produto.

Ele lembra que, ao abrir a caixa, encontrou uma mídia com aspecto de pirata e cheia de marcas de dedos. Ao voltar a loja, Uemura explica que o vendedor abriu outra embalagem do jogo na sua frente e ela estava nas mesmas condições. Não havia o que fazer, disseram, segundo o comprador.

Arquivo pessoal
Mídia Blu-ray do jogo Gran Turismo 5 vendida comprada por Uemura na loja UZ Games
Mídia Blu-ray do jogo Gran Turismo 5 comprada por Uemura na loja UZ Games

Procurada da Folha, a UZ disse que a ocorrência relatada por Uemura era "o único caso até agora". "A UZ Games informa também que abrirá todas as embalagens na frente do cliente para, juntos, identificarem um jogo que esteja com 100% de qualidade", informa a empresa.

Arquivo pessoal
Fotos das marcas de dedos e sujeira no Gran Turismo comprado por Uemura
Fotos das marcas de dedos e sujeira no Gran Turismo comprado por Uemura

Não demorou para surgirem novos casos.

Carlos Azevedo, 38, comprou seu Gran Turismo 5 no Walmart em uma promoção por R$ 159: "O que estamos reclamando é em relação à qualidade da embalagem como um todo, principalmente pelo preço cobrado", disse. O exemplar dele veio com um manual mal impresso, caixa "genérica" --"não é a que normalmente vem com os jogos de PlaySation3"-- e estampa da mídia de péssima qualidade.

Azevedo conta que costuma importar jogos, pelo preço sair mais em conta. "A Sony é uma empresa que costuma ser conhecida pela qualidade dos produtos, portanto resolvi comprar esse jogo nacional, mas fiquei decepcionado", disse.

Eduardo Mori,19, comprou o jogo também no Walmart e teve problemas parecidos. "Em comparação com o [jogo] importado o encarte é mais simples (não apresenta uma arte de fundo na parte interna da caixa) e a impressão no disco do Blu-ray é de baixa qualidade, tornando as informações escritas quase ilegíveis", conta.

É possível ver um vídeo sobre o Gran Turismo 5 vendido nos Estados Unidos aqui.

Mori iniciou uma discussão sobre o assunto no fórum do UOL Jogos, que foi sucedida por outras reclamações de consumidores, em relação inclusive a outros jogos. "Não é um caso isolado de uma loja", diz Mori.

O Walmart foi procurado pela Folha, mas ainda não enviou uma resposta.

Cristian Martinez afirma ter comprado seu exemplar do jogo por R$ 200, logo no dia lançamento nacional, na própria loja da Sony, a Sony Style do Shopping Bourbon, em São Paulo. Martinez também reclama da péssima qualidade do aspecto físico da mídia: "Parece um disco pirata, apesar de eu já ter visto DVDs pirata com melhor qualidade."

"Fiz questão de esperar o lançamento no Brasil por achar que seria melhor comprar o jogo nacional e incentivar o mercado brasileiro", conta. Ele diz ter entrado em contato com a Sony DADC, porém conta que não teve nenhuma resposta ainda.

"Nos fóruns, eu li que era normal o produto ter baixa qualidade por estarmos no Brasil, mas isso é inaceitável. Devemos ter os mesmos direitos e qualidade", disse, em entrevista.

A Sony foi procurada inicialmente pela Folha no dia 7 de dezembro por e-mail e telefone. Foram feitas seguidas cobranças, mas a empresa não enviou resposta.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página