Descrição de chapéu Deutsche Welle

Dez motivos para conhecer a Lituânia

Em 2018, o país báltico completa cem anos de independência enquanto conquista turistas

Pouco a pouco o discreto país báltico desponta entre as atrações turísticas da Europa. Dotada de belezas naturais e pontos de interesse histórico, em 2018 a Lituânia festeja cem anos de independência.

Vílnius, a pérola do Báltico

A foto mostra a praça em frente à catedral de Vilnius bastante movimentada durante uma tarde.
Catedral Episcopal de São Estanislau em Vilnius, na Lituânia - DPA/DW

A capital lituana é uma cidade inquieta, multicultural, com muitos cafés, pubs e bares com música ao vivo. Ruelas pitorescas, castelos medievais e inúmeras igrejas marcam sua paisagem urbana. Em 1994, a Unesco declarou o centro histórico de Vilnius como Patrimônio Cultural da Humanidade. Entre seus pontos turísticos mais importantes destaca-se a Catedral Episcopal de São Estanislau.

Istmo da Curlândia, paraíso à beira-mar

A duna é formada por areia, mas nas suas partes mais baixas, perto do mar, é coberta de árvores e arbustos
Duna Alta, com mais de 60 metros, à beira do mar Báltico - DPA/DW

O destino turístico mais popular da Lituânia é o Istmo da Curlândia, uma estreita faixa de terra no mar Báltico. Patrimônio da Unesco, ele é um paraíso natural com longas praias, dunas e florestas de pinheiros. Sua atração principal é a Duna Alta, uma das maiores da Europa, que se ergue a mais de 60 metros. Caminhos marcados permitem explorá-la com segurança.

Nida, nas pegadas de Thomas Mann

A casa tem dois andares, e o teto é tem o formato de meio círculo. A estrutura é toda de madeira, com janelas azuis. Há flores rosas plantadas em arbustos ao redor da casa
Casa de férias do escritor alemão Thomas Mann em Nida - DPA/DW

O autor alemão Thomas Mann (1875-1955) já era fascinado pelo Istmo da Curlândia, onde passou três verões com a família. Ele mandou instalar sua residência de férias no litoral de Nida, a partir do qual gostava de admirar o mar. Para o escritor, esse panorama era sua "vista italiana". Quem quiser reviver essa experiência, pode visitar a casa dos Mann no local.

Klaipeda, cidade portuária pitoresca

Dois barcos estão parados na beira de uma passarela em terra, onde pessoas caminham ao longo do rio
Barcos na foz do rio Neman em Klaipeda - DPA/DW

Na foz do rio Neman, no extremo do Istmo da Curlândia, fica Klaipeda, onde mais de 7.000 navios aportam a cada ano. Sua Praça do Teatro atrai os turistas como palco constante de concertos e festivais. Um motivo fotográfico muito apreciado do local é a estátua de bronze de Anita de Tharaw, personagem do século 17 homenageada na canção folclórica prussiana "Ännchen von Tharau".

Âmbar, o ouro do Norte

Alguns objetos de contas, como colares, broches e uma caixa, estão expostos dentro de uma caixa de vidro, com dois dos lados de madeira. Todos eles são feitos de âmbar, com tons oscilando entre o amarelo, o laranja e o marrom escuro
Objetos expostos no maior museu de âmbar do mundo em Palanga - DPA/DW

Desde tempos imemoriais o âmbar é apreciado como símbolo de luxo e poder. As peças mais preciosas dessa resina fossilizada cor de mel são aquelas que trazem insetos preservados. O Istmo da Curlândia é local de alta recorrência de âmbar. Em Palanga, Lituânia, está o maior museu de âmbar do mundo, com quase 30 mil objetos expostos.

Maravilhas naturais garantidas

A foto mostra uma parte do parque Trakai, em que há dois lagos tranquilos cercados por uma colina coberta de grama. No fundo da imagem, há um grande bosque
Lago no parque nacional Trakai, um dos cinco que existem na Lituânia - DPA/DW

Incluído o Istmo da Curlândia, a Lituânia possui cinco parques nacionais. Lagos e rios, bosques profundos, amplas planícies e aldeias tradicionais marcam as reservas naturais. Os lituanos também dão grande valor à preservação da herança cultural dessas regiões, em especial no Parque Nacional Trakai.

Trakai, castelo aquático histórico

A foto mostra um pequeno castelo de tijolos vermelhos ao fundo, rodeado por um grande lago. No lago, pessoas passeiam em botes e pequenas lanchas
Castelo aquático em Trakai, construído nos séculos 14 e 15 - DPA/DW

O coração do Parque Nacional Trakai é a cidade homônima, com seu imponente castelo aquático. Construído nos séculos 14 e 15, quando Trakai era a capital do grão-ducado da Lituânia, ele hoje abriga uma exposição sobre os grão-duques e a história de Trakai. Lá também se realizam periodicamente festivais medievais, torneios de cavalaria e concertos.

Peregrinação ao Monte das Cruzes

A colina parece atingir os 10 metros de altura no seu ponto máximo, que é atravessado por uma escada. Toda a sua área é coberta de cruzes, estátuas que simbolizam jesus, grandes e pequenas
Monte das cruzes, colina coberta de crucifixos e rosários em Siauliai - DPA/DW

Outro sítio fascinante da Lituânia é o Monte das Cruzes, uma colina nas cercanias de Siauliai, semeada de crucifixos, nichos de oração, figuras de santos e rosários, todos trazidos por peregrinos como pedido ou pagamento de promessa. Em 1961 o regime soviético fez derrubar todas as cruzes, porém cristãos e oposicionistas erigiram outras, e o monte se afirmou como símbolo da resistência nacional.

Kaunas, cidade dos diabinhos

A foto mostra duas imagens feitas de barro que representam o diabo na cultura local. O da direita toca um violão e tem um chifre em cima dos olhos e duas meias luas ao lado das bochechas. O da direita também tem dois chifres na cabeça, e segura um mastro.
Peças do museu do Diabo em Kaunas, na Lituânia - DPA/DW

A segunda maior cidade lituana se encontra na confluência do rio Neman com o Neris. A parte histórica de Kaunas é bem preservada, e vale a pena um passeio para conhecer a Catedral de São Pedro e São Paulo, a Igreja dos Jesuítas e a prefeitura. Imperdível é a visita ao Museu do Diabo, único no mundo, contendo cerca de 3.000 representações de demônios esculpidos e entalhados.

Purnuskes, centro geográfico da Europa

A foto mostra a área considerada o centro geográfico da Europa, com uma rosa dos ventos desenhada em cerâmica no chão e uma coluna com estrelas no topo para marcar o lugar
Coluna e rosa dos ventos do centro geográfico da Europa, a cidade de Purnuskes - DPA/DW

Como vários locais afirmam ser o centro da Europa, em 1989 pesquisadores do Instituto Nacional Francês de Geografia foram a fundo no assunto. E constataram que o real coração geográfico europeu é o lugarejo de Purnuskes, na Lituânia. Uma coluna e a rosa-dos-ventos traçada no chão confirmam o fato. No verão, os visitantes até ganham um certificado de que estiveram no centro do continente.

DW
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.