Encontro com o papa é ponto alto de peregrinação pelas ruas de Roma

Turistas lotam praça de São Pedro, no Vaticano, para ver Francisco em pessoa e de graça

Anna Virginia Balloussier
Roma

​​Quando alguém lhe oferece um Lamborghini customizado, que supera 300 km/h e tem valor de mercado estimado em US$ 200 mil (R$ 728 mil), como é que se diz?

​Não, obrigado —as palavrinhas mágicas esperadas se você for o papa Francisco, conhecido por adotar um estilo de vida menos luxuoso do que os antecessores. Exemplo: enquanto Francisco optou por sapatos mais surrados, Bento 16 carregava o apelido de Papa Prada, pelo mito de que seus calçados de couro vermelho pertenciam à grife.

Papa Francisco passa de Papamóvel, cumprimentado o público, que lota a praça de São Pedro no Vaticano
Papa Francisco acena para o público numa das audiências semanais, às quartas-feiras, na praça de Sâo Pedro, no Vaticano - Reuters

Falso: eram feitos à mão por um sapateiro peruano, e rubros —como o de tantos detentores do cargo— para simbolizar o sangue dos mártires. 

Pois em 2017 a marca italiana de carro presenteou o papa argentino com um modelo desenhado especialmente para ele, branco com detalhes dourados —as cores do Vaticano. O automóvel não saiu da garagem. Foi leiloado no último dia 12 por € 715 mil (cerca deR$ 3 milhões). O valor será usado em obras de caridade. 

É por esse “papa povão” que vibram as caravanas internacionais de peregrinos, numa manhã de abril. Ele dá três voltas de Papamóvel (apelido dado aos carros papais), um modelo mais antigo mesmo.

Estamos na praça de São Pedro, em frente à Basílica de São Pedro, cartão-postal católico com quatro séculos de idade e os italianos Michelângelo e Rafael no time de arquitetos. Nas manhãs de quartas-feiras, o pontífice comanda a chamada audiência papal —que não é uma missa, e sim um momento em que o líder da Igreja Católica discursa para as massas e concede uma bênção apostólica coletiva. 

É a grande chance de ver o papa em pessoa —e de graça. Se é inverno ou o tempo está ruim, o encontro com Francisco ocorrerá num ambiente interno. 

No verão e em parte da primavera (lembre-se que no hemisfério Norte essas estações vão de março a setembro), a audiência é na praça mesmo. E ela lota com peregrinos de todo o mundo —organizados tal qual caravanas para o programa do Silvio Santos, agitando gogós e bandeiras a cada menção a sua cidade. 

No dia em que a Folha participou, teve um salve especial para turmas vindas de São José dos Campos (SP), Cascavel (PR) e Natal (RN).

O Papamóvel só entra em cena, claro, quando a audiência é a céu aberto. Seu passageiro beija crianças, dá tchauzinho, é enquadrado em centenas de selfies alheias. 

Seria uma cena digna de político em campanha, se a estrela do dia não usasse uma batina com 33 botões (para representar a idade de Cristo). Fundada em 1798 e desde então a alfaiataria oficial dos papas, a casa Gammarelli não fica muito longe da praça São Pedro e tem uma famosa linha de meias ao alcance de qualquer um (€ 13, ou R$ 56). 

Os pares vêm em cores temáticas para sua clientela preferencial, a religiosa: vermelhos (para cardeais), roxos (bispos) ou pretos (padres). Pontífices usam os brancos. 

O tour automobilístico dura cerca de 20 minutos. Aí o Papamóvel para em frente à basílica, e seu principal ocupante salta sob escolta da Guarda Suíça Pontifícia. Esse exército papal era composto por mercenários quando foi criado, em 1506. Meio milênio depois, é atacado por flashes de turistas encantados com seu uniforme —parecem figuras de carta de baralho, com calça e blusa bufante, a estampa composta por largas listras verticais, amarelas e roxas. 

No centro da praça há um toldo branco montado para Jorge Mario Bergoglio, rebatizado Francisco ao assumir o cargo renunciado, em 2013, pelo agora papa emérito Bento 16. 

Às vezes com ajuda de tradutores, o pontífice discursa em várias línguas, em falas customizadas para cada idioma. São eles: italiano, espanhol, português, inglês, alemão, francês, polonês e outros, a depender dos grupos visitantes.

Na quarta em que a Folha esteve na praça São Pedro, ele falou sobre uma “fé que não pode ser comprada” e criticou o fato de que há crianças que não sabem fazer direito o sinal da cruz —fazem rápido demais, ora essa, onde já se viu, os mais velhos precisam instrui-las melhor, disse.

“Francisco, I love you!”, esgoela-se uma peregrina protegida da fina garoa por um guarda-chuva com rostos de papas dos séculos 20 e 21 na estampa. Declarações são ouvidas por todo lado. Turmas escolares são incentivadas a duelar para ver quem grita mais alto pelo pontífice.

Atenção ao dresscode indicado no site papalaudience.org. “Vestimentas casuais mas modestas são aceitas”, informa o texto. “As damas devem manter os ombros cobertos, sobretudo se as audiências forem realizadas em espaço fechado.” Para o verão na praça, um conselho: “Traga chapéu, filtro solar, água e se cubra o máximo que puder, para evitar queimaduras de sol”. 

Para encontrar o papa

Quando: às quartas, Francisco discursa na praça São Pedro, às 10h, em evento aberto e gratuito. Prepare-se para chegar bem cedo

Quem: grupos com menos de dez pessoas não precisam fazer reserva. Podem pegar os tíquetes com a Guarda Suíça, no Portão de Bronze. Turmas maiores devem preencher um formulário  aqui e enviá-lo por fax. Os bilhetes serão retirados no escritório localizado no mesmo portão a partir da véspera (das 15h às 19h) ou na quarta, a partir de 7h30

Outra chance aos domingos, às 12h, o papa aparece numa janelinha de um dos prédios na praça. Convites começam a ser retirados no sábado


Pacotes

R$ 1.113 
5 noites, em Roma, na Trade Tours  
Com café da manhã. Inclui visita aos Museus Vaticanos e à Capela Sistina, além de seguro-viagem. Valor por pessoa, sem passagem aérea

R$ 1.530 
3 noites, na Maringá Turismo
Sem regime de alimentação ou passagem aérea. Inclui city tour e traslados. Preço por pessoa

R$ 3.785 
6 noites, na Flot
Entre Roma, Florença, Veneza, Pádua e Milão, com café da manhã e um jantar. Inclui traslados, guia em português, visitas panorâmicas e barco privativo em Veneza. Preço por pessoa. Sem passagem aérea

R$ 5.400 
5 noites, na Ahoba Viagens 
Em Roma, sem regime de alimentação. Inclui visita aos Museus Vaticanos, à Capela Sistina e à Basílica de São Pedro. Preço por pessoa. Com passagem aérea

R$ 7.519 
6 noites, na CVC
Em Roma, com café da manhã. Por pessoa. Inclui passagem aérea

R$ 8.256 
9 noites, na Pisa Trekking 
Entre Roma, Florença e Veneza, com café da manhã. Inclui passeios aos Museus Vaticanos, à Capela Sistina e à Basílica de São Pedro, além de city tour em Florença, passagem de trem entre as duas cidades e traslados. Preço por pessoa. Sem passagem aérea

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.