Antigo silo de grãos é agora um dos hotéis mais luxuosos da África do Sul

The Silo fica em área restaurada da Cidade do Cabo e tem suítes cujas diárias chegam a R$ 30 mil

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Cama de quarto de hotel e janela com vista para a Cidade do Cabo
Quarto do Hotel The Silo, na Cidade do Cabo, que foi inaugurado em 2017 - Divulgação
Tiago Constantino
Lisboa | Global Media

Restaurar um celeiro não é inédito. Mas poucos conseguem alcançar o que foi feito na Cidade do Cabo, na África do Sul. O edifício abandonado, localizado na área de Victoria and Albert Waterfront, foi totalmente transformado e é agora um dos hotéis mais luxuosos do mundo: The Silo.

O antigo silo de grãos foi construído na década de 1920 (chegou a ser a edificação mais alta do continente) e recentemente sofreu uma transformação comandada pelo designer britânico Thomas Heatherwick. A reconstrução do edifício consumiu 2,1 milhões de horas de trabalho de cerca de 550 trabalhadores (em três anos de reforma)​.

Nos andares inferiores do edifício, encontra-se o primeiro Museu de Arte Contemporânea da África do Sul –o Zeitz, casa de várias exibições de espetáculos e importante instituição de apoio para artistas africanos.

O átrio tem dez andares e foi esculpido usando pontos de GPS. O espaço do museu reúne a maior coleção de arte africana do mundo.

Uma das características do antigo celeiro é a sua altura considerável (58 metros) e nada melhor do que passar uma noite no hotel de cinco estrelas, acima do museu Zeitz.

Os seis andares superiores foram remodelados e transformados no luxuoso The Silo Hotel. Dispostas pelos corredores estão 300 peças de arte contemporânea criadas por artistas africanos.

Para descontrair, cada uma das 28 suítes têm uma janela panorâmica no banheiro (cada janelas é montada com 56 painéis de vidro). Da cobertura, a paisagem é de tirar o fôlego. De um lado, há a vista do porto e, de outro, a da Table Mountain, símbolo da cidade. O acesso ao bar do local é restrito para hóspedes ou para visitantes com reserva. Os petiscos custam desde 100 rands, menos de R$ 30, e o lugar fica lotado no pôr do sol.

O valor da diária parte de US$ 898 (R$ 3.365), na baixa estação (de maio a julho). A suíte mais cara (com dois quartos) custa US$ 8.120 (R$ 30 mil), na alta temporada (janeiro a março e novembro). Mais informações em: theroyalportfolio.com/the-silo/overview/. 

Para saber mais sobre o museu Zeitz, acesse zeitzmocaa.museum.

Leia mais em Volta ao Mundo 

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.