Com fotos da África, italiano ganha prêmio de melhor fotógrafo de viagem

Portfólio de Stefano Pensotti inclui imagens na Etiópia, no Senegal e no Mali

Camelos andam no deserto de sal
Camelos andam no deserto de sal do lago Asale, na Etiópia - Stefano Pensotti
São Paulo

O italiano Stefano Pensotti, 59, é o ganhador do prêmio principal do concurso Travel Photographer of the Year (fotógrafo de viagem do ano).

Na edição de 2018 do prêmio, foram inscritas mais de 20 mil imagens de fotógrafos vindos de 142 países. A seleção final foi feita por 15 jurados –grupo no qual se incluem fotógrafos, curadores e especialistas no mercado de fotografia.

Entre as oito imagens do portfólio de Pensotti que foram selecionadas para o concurso, ele destaca a foto feita no deserto de sal do lago Asale, na Etiópia

O fotógrafo chegou a fazer um livro sobre o país, "Sale Nero" (2008, sem edição no Brasil), mas somente depois da publicação da obra, na sua quarta viagem ao país, que conseguiu fazer a imagem "dos sonhos" e registrar a caravana de camelos sobre a areia dourada.

Morador de Milão, Pensotti fotografa desde os 14 anos e começou a sua carreira como colaborador de revistas italianas, com ensaios feitos em expedições para a África ou Ásia.

"Em meados da década de 1990, procurava me aventurar em lugares incomuns, terras raramente visitadas por ocidentais", diz ele.

Hoje, trabalha também com treinamento de funcionários em uma empresa da cidade, mas planeja, no próximo ano, se dedicar integralmente à fotografia. Pensotti também organiza roteiros com fotógrafos que desejam aprender técnicas de fotografia de viagem.

Sobre sua rotina de trabalho como fotógrafo, diz que faz uma lista de lugares que quer fotografar. "Depois, tento checar as autorizações para fotografar neles e o melhor horário para estar lá", diz.

Para o fundador do prêmio, o inglês Chris Coe, a diversidade de temas foi um dos destaques do portfólio do italiano, que também fotografou, entre outros lugares, o interior da Geórgia, no leste europeu, e um templo no Mianmar.

"O trabalho do Stefano Pensotti mostra a sua habilidade em registrar pessoas sem parecer um intruso. São imagens que não exploram as personagens retratadas", afirma.

Nessa categoria, os concorrentes deviam montar uma espécie de exibição particular para os jurados.

Havia também outras duas categorias de séries. Em "Faces, pessoas, culturas", na qual os candidatos deveriam inscrever retratos que ressaltem a diversidade do mundo, a holandesa Marinka Masséus, com um ensaio com crianças albinas da Tanzânia, foi a ganhadora.

E em "Mundo natural", para fotografia de paisagens e vida animal, o destaque foi para o espanhol Javier Herranz Casellas, premiado com uma série de imagens macro de plantas do parque natural de Cabo de Gata, em Almeria, na Espanha.

Há outras categorias para fotos individuais e para jovens e crianças com menos de 18 anos. Além dos prêmios individuais de cada categoria, as imagens farão parte de exibições em Londres e em Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos, em 2019.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.