Descrição de chapéu Destinos

Devagar, caminhe por Nova York de norte a sul e de leste a oeste

Com malha urbana de ângulos retos, suas ruas numeradas e seus terrenos planos, cidade convida a andar a pé

Beatriz Muylaert
Nova York

​Pontos cardeais são a chave de uma peregrinação eficiente pela célebre malha urbana de Nova York.

Uma boa caminhada pode começar pelo Harlem, ao norte do Central Park —que é o grande ponto de referência.

Cenário de movimentos por direitos civis no século passado, o Harlem passa hoje por mais um renascimento. Comece visitando o teatro Apollo, primeiro a permitir que artistas negros tomassem o palco. Ella Fitzgerald fez sua estreia lá e James Brown o considerava seu segundo lar.

Depois, siga para um brunch no Red Rooster, batizado em homenagem a um “speakeasy”, bar escondido do período da Lei Seca. Peça waffles com frango frito, tradicional “soul food” do sul dos EUA.

Ande pela avenida Adam Clayton Powell e visite a First Corinthian Baptist Church, igreja instalada em um velho cinema. Aos domingos, o serviço religioso é acompanhado de música gospel.

Na sequência, você pode seguir pela Malcolm X Boulevard, principal rota norte-sul via Harlem, na parte superior de Manhattan, até chegar à entrada norte do Central Park. Então contorne o Harlem Meer, lagoa onde moradores pescam, caminhe até o Conservatory Garden e saia na altura da 105th Street.

Se quiser entender melhor a metrópole, entre no Museum of the City, no final do Museum Mile, o 1,6 km da Quinta Avenida que vai da rua 82 à 105 e abriga vários museus.

Volte para o parque e se perca nas vielas até chegar ao Jackie Kennedy Onassis Reservoir. Lá, aproveite a vista dos prédios do Upper West Side refletidos na água do reservatório.

Na altura da 90th Street, volte para a Quinta, porque você precisa ver o Guggenheim.

Siga ao sul até a monumental escadaria do Metropolitan Museum of Art, o Met, na 82nd. Tome um drinque no Flora Bar, no subsolo do Met Breuer, prédio desenhado pelo Bauhaus Marcel Breuer nos anos 1960. Ou vá de hambúrguer-raiz no JG Melon.

De lá, caminhe até a margem leste do rio na altura da 90th Street. Cansou? Pegue a balsa até Wall Street (o bilhete da NYC Ferry custa U$ 2,75 ou R$ 10,34) e desfrute de uma das melhores vistas da cidade.

Ao desembarcar, visite o belo parque Battery, no extremo sul da ilha. Pronto: você está a dez minutos a pé do do Memorial 9/11, no lugar onde ficavam as torres gêmeas. Ao redor, veja o Oculus, estação de trem desenhada pelo espanhol Santiago Calatrava, e o One World Trade Center.

Vá mais longe e pegue a balsa para Williamsburg


A cidade começou no sul de Manhattan e lá fica o Financial District, sede das maiores instituições do mundo. Veja o prédio da Bolsa em Wall Street e siga pela rua Nassau, passe pelo Federal Reserve, até a praça onde está a prefeitura da cidade(City Hall).

Siga o fluxo de pedestres para sair de Manhattan pela ponte do Brooklyn, que tem  1,6 km, dá vista para a Estátua da Liberdade e leva a Dumbo, onde galpões à beira do East River foram revitalizados.

Chegando, desfrute a vista da Manhattan Bridge e siga para o Main Street Park, onde crianças rodam nos antigos cavalos de madeira do Jane’s Carousel e adultos curtem lojas e restaurantes no Empire Stores, antigo armazém transformado em mercado.

Vá beirando a água até o Fulton Ferry Landing e pegue a balsa para Williamsburg.

Desça na parada Williamsburg South e ande até o novo Domino Park. Localizado na antiga fábrica de açúcar, é um parquinho com design inspirado no processo de refino.

Williamsburg é tido como um bairro descolado, mas a chegada do supermercado Whole Foods e da loja da Apple na avenida Bedford aceleraram a gentrificação por lá. Caminhe pela Bedford até a N 7th Street e dirija-se para o East River State Park, onde, aos sábados, acontece Smorgasborg, mercado de comida a céu aberto com barracas que vão de hambúrguer de noodle a sorvete vegano sem glúten.

No quarteirão adjacente ao parque, visite o Artists & Fleas Williamsburg, feirinha independente de moda, arte e design aberta aos finais de semana. Fãs de vinil não podem pular a Rough Trade, maior loja de discos, na N 9th St.

No extremo norte do Brooklyn está Greenpoint, novo ponto dos hipsters. Caminhe pela Kent Ave-Franklin Street até a Greenpoint Avenue e siga para o Brooklyn Barge, bar instalado em uma balsa, ou faça a parada na inusitada Sunshine Laundromat: na frente uma lavanderia, no fundo um bar cheio de mesas de pinball.

Se restar fôlego, cruze a ponte e conheça Long Island City. Visite o Moma PS1, braço do Museu de Arte Moderna com foco em arte experimental. No verão, aos sábados, tem festa de som eletrônico no pátio.

O mais novo ponto turístico da cidade também pode ser visitado a pé. Trata-se do maior empreendimento imobiliário privado da história americana, o Hudson Yards, que acaba de ser inaugurado.

Na margem oeste da ilha, entre as ruas 30th e 34th, o projeto de uso misto abriga o The Vessel, uma obra interativa de bronze que parece uma colméia, com escadas que dão diferentes visões da cidade.

Entre no parque suspenso High Line pela 34th e ande até a saída da 23rd, onde estão concentradas as galerias do Chelsea. Siga até o Chelsea Market para comer e beber.

Vá pelo Hudson River Park até a fonte que tem o nome de Marsha P. Johnson, ativista negra e transexual que teve papel vital nos protestos de Stonewall, bar onde há 50 anos uma batida policial desencadeou uma série de conflitos que foram chave na luta pelos direitos civis LGBTQ. Visite-o na Christopher Street.

Passe pelo Jefferson Market Garden, praça cercada por restaurantes charmosos, e continue até o parque Washington Square, onde um arco de mármore também foi batizado de George Washington, primeiro presidente e um dos pais fundadores do país. Artistas de rua e alunos da Universidade de Nova York garantem movimento e trilha sonora na praça o ano inteiro.

Desça pela LaGuardia Place, tome sorvete no Morgenstern’s e continue até o Soho. A Prince Street, como a Spring Street, tem grandes marcas e lojas menos conhecidas. Escolha a sua e siga a leste.

Na Bowery, rua mais antiga da cidade, está o New Museum, torre de cubos desalinhados que abriga mostras de arte contemporânea. Aos finais de semana, o terraço no último andar oferece vista.

Ao leste da Bowery estão o East Village e o Lower East Side, bairros de imigrantes e com rica culinária internacional. Adentre no Lower East Side pela Broome Street e faça um “oyster happy hour” no The Ten Bells, quando cada ostra custa U$ 1 (R$ 3,76).

Siga até o East Village. Escolha uma das muitas opções para jantar: comida vietnamita, marroquina, ucraniana...

Para encerrar o passeio, atravesse o Union Square a caminho do Madison Square Park, onde está o Flatiron, um dos primeiros arranha-céus da cidade que, como o nome indica, tem o formato de um ferro de passar roupa.

Passeios com experts revelam lados ocultos

Muslim History Tour
É no Harlem que estão os marcos da história muçulmana em Nova York. Katie Merriman, PhD em estudos religiosos, lidera o tour e fala da chegada dos primeiros muçulmanos como escravos, do islamismo e dos costumes ao visitar mesquitas e o ponto onde ficava a biblioteca frequentada pelo jovem Malcolm X.
muslimhistorytournyc.org

Hassidic Brooklyn Culture Tour
Um lado menos conhecido de Williamsburg é apresentado por Frieda Vizel, que nasceu na comunidade hassídica do Brooklyn, grupo religioso judaico fechado. Depois de se casar, ela saiu do grupo. Sua intimidade com a cultura oferece uma visão de “insider” e seu afastamento traz um olhar crítico que mostra ao visitar sinagoga, escola, lojas e restaurantes.
friedavizel.com

Artsy Tour
Focado em arte contemporânea, inclui galerias no Chelsea. É guiado pela brasileira Gisela Gueiros, formada em história da arte e residente em NY. Ela combina curiosidades do bairro com informações sobre artistas e exibe referências visuais em seu tablet.
giselagueiros.com


PACOTES

US$ 997 (R$ 3.748)
5 noites em Nova York, na RCA Turismo (rcaturismo.com.br
Hospedagem em quarto duplo, sem regime de alimentação. Inclui passeios pela cidade e traslados. Sem aéreo

US$ 1.235 (R$ 4.643) 
4 noites em Nova York, na Abreu (abreutur.com.br
Valor para saídas de 1° a 31 de outubro. Hospedagem em quarto duplo, sem regime de alimentação. Inclui passeio e traslados. Sem aéreo

R$ 5.151 
6 noites em Nova York, na CVC (cvc.com.br
Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã. Sem passeios e sem traslados. Inclui aéreo a partir de SP

US$ 1.392 (R$ 5.233) 
4 noites em Nova York, na Kimpton Hotels (kimptonhotels.com)
Saída em 1° de agosto. Hospedagem em quarto duplo, sem regime de alimentação. Sem aéreo

US$ 2.400 (R$ 9.024) 
7 noites em Nova York, na Venice (veniceturismo.com.br
Hospedagem em quarto duplo, sem alimentação. Inclui traslados e passagem aérea

O valor do dólar usado na conversão de pacotes desta edição é R$ 3,76

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.