Descrição de chapéu Destinos

Passeios por praias e igrejas de Barcelona cabem em um dia

Atrações estão concentradas em um pequeno perímetro, próximo ao mar

Dante Ferrasoli
Barcelona

Barcelona é bem servida de metrô e não tem Uber, mas o visitante disposto a gastar a sola do tênis pode ignorar essas informações.

Boa parte das atrações da cidade, algumas bem conhecidas e outras nem tanto, se concentram num perímetro pequeno, próximo ao mar e, caso o turista esteja hospedado nessa área, pode conhecê-las a pé, em um ou dois dias.

Se o viajante estiver na Rambla, na altura da praça Real, pode fazer um circuito que cobre bem os marcos de Barcelona começando e terminando em seu hotel.

Escultura de Frank Gehry no Porto Olímpico de Barcelona 
Escultura de Frank Gehry no Porto Olímpico de Barcelona  - AlexKazachok/AdobeStock

Cerca de 450 metros acima na Rambla, e do outro lado da rua, está o mercado da Boquería, onde é possível encontrar, em suas 300 lojas, carnes, embutidos, frutos do mar —alguns deles vivos— e vinhos.

Uma boa pedida é o presunto pata negra, iguaria espanhola vendida em pequenos cones por € 5 (R$ 20,95). Na primavera e no verão, o visitante encontrará sucos coloridos e frutas geladas.

O mercado tal como existe foi inaugurado em 1840, mas os comerciantes já vendiam seus produtos, ao ar livre, desde a Idade Média, quando o espaço ficava fora das muralhas da cidade, o que evitava impostos. Também não era possível entrar com animais vivos na Barcelona medieval.

Saindo do mercado e descendo a Rambla por 900 metros o viajante dará de cara com o porto, onde dá para visitar o aquário. Não é tão moderno como o Oceanário de Lisboa, mas tem suas atrações: um tanque de pinguins e uma esteira sobre a qual se desliza enquanto tubarões e arraias nadam em volta. A entrada custa € 21 (R$ 88).

Uma curta caminhada leva à praia da Barceloneta. Por lá há diversos restaurantes, como o El Pacífico, onde a reportagem comeu um tartare de atum e dividiu com duas pessoas uma panela de arroz negro com frutos do mar. Com uma generosa caneca de cerveja, o almoço saiu € 30 (R$ 125,70) para cada um.

Na orla, vale procurar uma barraca que venda o granizado, uma raspadinha muito doce que torna mais fácil a caminhada sob o sol. Um copo pequeno sai por € 3,50 (R$ 14,65). Se tiver bebido um pouco a mais no dia anterior, ajuda bastante na ressaca.

Sempre em frente, a praia muda de nome, mas mantém o calçadão. Após passar pela parte chamada de Somorrostro, o viajante chegará ao Porto Olímpico, marina que foi palco das competições de vela na Olimpíada de 1992. Por ali há um imenso cassino e casas noturnas, a maioria com uma saída para a areia.
Em frente ao cassino fica a rua Marina, onde o turista se despede da praia e ruma cidade adentro. Siga na via por cinco quarteirões e vire à esquerda. Já no bairro do Born, fica o parque da Cidadela, que abriga o Parlamento catalão, lagos e um zoológico.

Esteira rolante no aquário de Barcelona
Esteira rolante no aquário de Barcelona - Shiler_a/Adobe Stock

Coladinho no parque, em frente à rua Passeig de Picasso, avista-se o Centro Cultural do Mercado do Born. 
O terreno abrigava um mercado municipal e, anos após seu fechamento, abrigaria uma biblioteca. Nas obras do novo espaço, no entanto, foram encontradas ruínas da Barcelona do século 18. 

Hoje, as ruínas podem ser vistas de cima, gratuitamente. Para conhecer o sítio arqueológico mais de perto, é preciso pagar € 15 (R$ 62,85).

Saindo do centro cultural rumo ao bairro da Ribera, o turista encontrará a igreja Santa María del Mar. Menos conhecido que a Sagrada Família, o templo é central no best-seller “A Catedral do Mar” (2006), do espanhol Ildefonso Falcones. A obra narra a história de Arnau Estanyol, que dedicou a vida à igreja, seja carregando pedras, quando pobre e jovem, ou financiando as obras, quando (spoiler) rico e velho. Em 2018, o livro virou série da Netflix.

A igreja, de estilo gótico, foi finalizada em 1384. A entrada custa € 5 (R$ 20,95). Vale para quem quiser ler sobre a história de um templo construído basicamente por e para os pobres de Barcelona, moradores do bairro da Ribera, e em cujos degraus santo Inácio de Loyola pedia esmolas.

Saindo do templo, uma caminhada de 20 minutos leva de volta à rua Marina, acredite ou não (já foram três atrações nesse meio-tempo).

Seguindo pela via, em mais 20 minutos o turista chega à Sagrada Família, a mais famosa das igrejas barcelonesas.

Vale entrar e é bom que os ingressos (€ 17 ou R$ 71,25) sejam comprados antes.

Ainda não terminado —a previsão é que fique pronto em 2026—, o templo projetado por Antoni Gaudí (1852-1926) é um espetáculo de luzes vivas. Seus vitrais “pintam” o interior de amarelo, laranja, verde, azul e vermelho.

O desenho, modernista, também é notável e, do lado de dentro, vale a pena gastar tempo e fazer uma visita com audioguia (€ 25 ou R$ 104,75) para entender o contexto de cada estátua colocada nas portas e de cada figura talhada nas pedras. A arquitetura conta a história da vida e da ressurreição de Jesus.

Seguindo em frente a partir  da igreja, o turista não demorará mais de 20 minutos para percorrer o 1,6 quilômetro até o passeio de Gràcia.

Espécie de Champs-Elysées barcelonesa, a via concentra lojas de luxo. Caminhando na direção contrária ao mar, o viajante encontrará quase no fim do passeio a Casa Milà, também conhecida como La Pedrera, outra obra de Gaudí, que abriga exposições. O ingresso custa € 22 (R$ 92,20).

De lá, uma descida de 15 minutos leva à praça Catalunya, onde o turista, agora convertido em andarilho, já estará de novo na boca da Rambla, próxima da praça Real.

Em Barcelona, o visitante tem a chance de descobrir o significado de palavras numa língua que pouco se ouve no Brasil, o catalão. O idioma, latino, parece uma mistura de espanhol com francês (não diga isso a um catalão). 

Aproveite o passeio para ler as placas e use o contexto para descobrir o que significam aparcament (estacionamento), si us plau (por favor), carrer (rua), platja (praia) e estiu (verão). Ah, e  que Sant Jordi, padroeiro da Catalunha, nada mais é que São Jorge.


PACOTES

€ 287 (R$ 1.202) 
2 noites em Barcelona, na Schultz (schultz.com.br
Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã, em hotel quatro estrelas. Inclui passeio pela cidade e traslado de chegada. Sem passagem aérea

R$ 2.158 
3 noites em Barcelona, na Top Brasil Turismos (topbrasiltur.com.br)
Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã, no hotel HCC Montblanc. Inclui passeio pelas obras de Antoni Gaudí e traslados de ida e volta. Sem passagem aérea

R$ 5.353 
6 noites em Barcelona, na CVC (cvc.com.br
Hospedagem em quarto duplo, sem regime de alimentação, no Pierre Vacances Barcelona Sants. Inclui aéreo a partir de São Paulo


US$ 2.417 (R$ 9.087) 
6 noites em Barcelona, na Venice Turismo (veniceturismo.com.br
Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã. Inclui passeio pela cidade, traslado e seguro-viagem. Com passagem aérea

O valor do euro usado na conversão de pacotes desta edição é R$ 4,19; o do dólar, 3,76

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.