Sítio arqueológico na Turquia transporta visitante ao berço da civilização

Sudeste do país reúne achados que modificaram a compreensão da história da humanidade

Sanliurfa (Turquia)

Assim como, quando se pensa em Turquia, as imagens que vêm à mente são as imponentes mesquitas de Istambul ou as cavernas e céus pontilhados de balões da Capadócia, o nome Mesopotâmia se associa ao Iraque. 

É esse, afinal, o país cujo território, nos dizem os livros de história, corresponde à da região entre os rios Tigre e Eufrates. No entanto também os turcos reivindicam seu quinhão nesse que é chamado berço da civilização ocidental. 

É na Turquia que nascem os dois míticos rios e, no sudeste, a poucos quilômetros da fronteira com a Síria, eles cercam a região de Sanliurfa (pronuncia-se “Xanliurfa”), importante centro para o estudo arqueológico no país. 

Fora da rota habitual dos brasileiros —que, segundo os dados do governo da Turquia, privilegiam de fato Istambul e Capadócia—, Sanliurfa concentra achados que modificaram a compreensão da história da humanidade. 

Nas montanhas de Germus (“Guérmush”), ao redor da capital homônima de Sanliurfa —também conhecida como Urfa—, Göbeklitepe (“Guobek-li-tepé”) é o maior orgulho do país nesse quesito. 

O sítio arqueológico entrou em 2018 na lista de patrimônio da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Datado entre 9.600 e 8.200 a. C., trata-se de um dos mais antigos santuários jamais descobertos —para termos de comparação, calcula-se que Stonehenge, na Inglaterra, tenha sido frequentado entre 3.700 e 1.600 da era pré-cristã. 

Como seu similar britânico, o conjunto de Göbeklitepe é composto de estruturas megalíticas, enormes blocos de pedra. A hipótese é que o monumento, no qual se destacam suas colunas em forma de T, decoradas com relevos de animais, tenha sido feito para uso ritual, possivelmente funerário.

No sítio, eles podem ser vistos a partir de uma estrutura coberta que forma um passeio elevado em torno da escavação principal —arqueólogos ainda trabalham em outros pontos do local.

Na chegada, o visitante encontra um museu com vídeos que contam a história do lugar e imaginam como ele era usado. A estrutura no local é boa, com estacionamento, lanchonete e loja na área de acolhimento, e um serviço de vans leva o visitante até o sítio propriamente dito.

Embora Göbeklitepe tenha sido descoberto em 1963, a escavação começou cerca de 30 anos mais tarde. 

Em 1984, Mahmut Yildiz trabalhava com seu irmão arando o campo quando encontrou pedras lavradas que chamaram sua atenção. As peças foram levadas por eles ao Museu Arqueológico de Sanliurfa, que, de início, não lhes deu muita importância.

Só em 1993 fez-se a datação de carbono que permitiu confirmar aquilo de que arqueólogos alemães que trabalhavam na região desconfiavam. Ali haveria certamente vestígios importantes do Neolítico. 

A descoberta de Göbeklitepe levantou dúvidas sobre aspectos da atividade humana na Terra. Antes pensava-se que caçadores e coletores se dedicassem apenas a essas atividades de sobrevivência. 

Supunha-se que monumentos desse tipo fossem posteriores à agricultura, mas hoje admite-se que o cultivo da terra possa ter passado a existir para alimentar o grande número de pessoas que acorriam ao santuário.

As escavações foram lideradas pelo arqueólogo alemão Klaus Schmidt, e hoje o Instituto Arqueológico da Alemanha é encarregado, com o museu de Sanliurfa, do trabalho no local. 

É recomendável visitar o Museu Arqueológico de Sanliurfa com calma, depois de já ter ido a Göbeklitepe. 

O atual edifício, de 29 mil metros quadrados, foi inaugurado em 2015, sucedendo o primeiro prédio, de 1969, que não acomodaria os achados crescentes na região.

O percurso do museu, distribuído em três andares, segue a linha do tempo da história, acompanhando os passos da atividade humana na região. 

É um espaço que pode interessar adultos e crianças, com representações cenográficas dos modos de vida de cada era. A visita vai do Paleolítico até o início do século 20, e podem-se ver utensílios de todas as fases da ocupação da Alta Mesopotâmia.

Uma réplica de parte de Göbeklitepe permite ao visitante sentir a escala do santuário e ver de perto os relevos esculpidos nos megálitos. 

Mais adiante, está o templo original extraído de Nevali Çori (pronuncia-se “Tchóri”). Esse era o sítio em que trabalhava a equipe de Klaus Schmidt e que levantou as suspeitas dos alemães sobre a importância das pedras encontradas no local onde se descobriria o recinto sagrado de Göbeklitepe.

O templo de Nevali Çori foi transplantado para o museu porque a região foi inundada na construção da represa Atatürk nos anos 1980; o assentamento original jaz sob 120 metros de água, e uma maquete dá uma pálida impressão do que ele teria sido.

De todo modo, é impressionante a coleção de milhares de peças em exibição — cerca de 5.000 das 65.000 do acervo.

O fim da visita se compõe de alas dedicadas às eras Helenística (330 a.C a 244 d.C.), Romana (244 a 1.086) e Islâmica (639 a 1922). Exemplares escultóricos, colunas, moedas e cerâmica estão à mostra.

É possível passar o dia no museu, que tem restaurante e loja, com bons suvenires.

Não se deve dispensar a visita ao Museu dos Mosaicos de Haleplibahçe (“Ralep-li-ba-tche” é o nome do bairro), anexo ao Museu Arqueológico.

Descobertos em 2006 por acaso, em meio a uma obra de infraestrutura, os mosaicos romanos são esplêndidos. Sobre eles, ergueu-se uma cobertura e, seguindo um trajeto em rampa, o visitante pode apreciar os enormes tapetes de pedrinhas, talhadas em precisão espantosa.

Alguns narram a história de Aquiles, herói grego da guerra de Troia; outro traz cenas com amazonas; outro ainda, um escravo, figura rara na arte romana, conduz uma zebra.

Culto do profeta Abraão atrai à cidade turismo religioso 

Além de importante para o turismo arqueológico, Sanliurfa é também um centro de peregrinação religiosa. Acredita-se que ali nasceu Abraão, personagem fundamental para judeus, cristãos e muçulmanos.

O local onde ele teria nascido, uma caverna, é um lugar de oração para os islâmicos. Ao lado, há uma mesquita, de construção recente. 

O complexo ajardinado se completa com o Lago de Abraão —diz a lenda que as águas surgiram no lugar do fogo que deveria tê-lo consumido, a mando do rei local, desagradado pela pregação do profeta. 

Nas imediações, há restaurantes e o simpático mercado da cidade, bem menos turístico que os de Istambul. Ali pode-se ver a vida local e tomar chá e café turco, espesso e forte, no jardim interno. 

Lago de Abraão; lenda diz que ele surgiu onde tentaram queimar o profeta
Lago de Abraão; lenda diz que ele surgiu onde tentaram queimar o profeta - Nikolai Link/Adobe Stock

E, claro, há mais mesquitas.

Não é demais lembrar que homens e mulheres devem ingressar descalços nos templos muçulmanos, e o fazem por entradas diferentes, sempre fora do horário de oração. 

As mulheres devem ainda cobrir os cabelos, ombros e pernas —a roupa não deve ser justa. Muitas delas cedem em empréstimo vestimentas adequadas, mas é melhor estar preparada.

Aqui, cabe ainda dizer, que, para visitar o interior da Turquia, é muito importante contar com um guia. Salvo nos hotéis de redes internacionais, poucas pessoas falam inglês.

Vale a pena contratar pacotes com carro e motorista, em especial no caso de grupos. Isso facilitará os deslocamentos para outros pontos —não há voos diretos entre as cidades menores. A viagem de Sanliurfa a Adiyaman, distantes pouco mais de 100 km, pode durar 11 horas, graças à escala.

A Tulipa Boutique Travel (turquiaboutiquetravel.com), capitaneada por Ana Morais, brasileira radicada em Istambul, oferece serviços em português para grupos de até 15 pessoas e dá atenção ao cliente antes e durante a viagem.


R$ 2.944 
8 noites em Istambul, na Decolar ( decolar.com)
Hospedagem em quarto duplo, sem regime de alimentação, no Timeks Hotel. Não inclui passeios. Com passagem aérea a partir do aeroporto de Guarulhos (SP)

€ 869 (R$ 3.909) 
8 noites em Istambul e na Capadócia, na Schultz (schultz.com.br)
Três noites em Istambul, duas na Capadócia, uma em Pamukkale, uma em Kusadasi e uma em Çanakkale. Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã. Inclui cinco almoços e cinco jantares. Com passeios pelos principais pontos turísticos dos destinos (guia em português acompanha) e traslados. Sem passagem aérea. Pacote válido até março de 2020, com saídas às sextas-feiras

US$ 1.567 (R$ 6.362) 
9 noites em Istambul, Ancara e Capadócia, na Trains & Tours (lufthansacc.com)
Duas noites em Istambul, duas na Capadócia, duas em Kusadasi, uma em Ancara, uma em Pamukkale e uma em Çanakkale. Hospedagem em quarto duplo, com café da manhã. Sem aéreo

R$ 15,8 mil
7 noites em Istambul, no Shangri-La Bosphorus (shangri-la.com)
Pacote para casal, com check-in em 27 de dezembro. Inclui café da manhã. Sem passagens aéreas

A jornalista viajou a convite do Ministério da Cultura e Turismo da República da Turquia   

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.