Setor turístico mundial teme pânico causado pelo coronavírus da China

Atrações importantes do país, como a Cidade Proibida e a Grande Muralha, estão fechadas

Londres | AFP

O novo coronavírus que surgiu na China ameaça causar sérias consequências econômicas se desatar pânico, alertou nesta sexta (24) o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC).

"Casos anteriores mostraram que o fechamento de aeroportos, cancelamento de voos e fechamento de fronteiras geralmente tem um impacto econômico mais importante do que a própria epidemia", comentou a presidente do WTTC, Gloria Guevara.

Embora ciente da necessidade de "ativação rápida de planos de emergência eficazes", ela destaca a importância da "comunicação rápida, precisa e transparente para conter o pânico e mitigar as consequências econômicas negativas".

"Conter a propagação de um pânico inútil é tão importante quanto conter o próprio vírus", estimou, comentando as medidas da China para combater a disseminação do coronavírus que apareceu em dezembro num mercado de Wuhan, na região central do país.

Quase 41 milhões de pessoas foram confinadas em 13 cidades chinesas e atrações turísticas como a Cidade Proibida e a Grande Muralha da China foram fechadas. A Disney de Xangai, maior cidade do país, também anunciou seu fechamento por tempo indeterminado. ​

O vírus deixou 26 mortos e 830 contaminados, dos quais 177 estão em estado grave, de acordo com o último balanço oficial. 

Segundo o WTTC, o impacto econômico global do vírus H1N1 foi de cerca de US$ 55 bilhões.

China, Hong Kong, Cingapura e Canadá também sofreram as consequências econômicas da epidemia de Sars em 2003, com prejuízos para o setor mundial de viagens e turismo que variaram de US$ 30 a 50 bilhões.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.