Turistas podem cancelar viagem à China sem ter de pagar multa

Surto de coronavírus colocaria em risco saúde do consumidor, diz Procon

São Paulo

Quem quiser cancelar ou remarcar passagens aéreas emitidas para a China por causa do surto de coronavírus pode fazê-lo sem nenhum tipo de multa.

“A proteção à saúde é um direito básico do Código de Defesa do Consumidor. É diferente de quem cancela pelo mero arrependimento da compra”, afirma Renata Reis, coordenadora das áreas técnicas do Procon de São Paulo.

Na outra ponta, se uma companhia aérea resolver não voar para o país asiático, o procedimento é similar ao de outros cancelamentos: ela deve informar o passageiro no máximo 72 horas antes do horário do voo e devolver os valores pagos ou oferecer a opção de outra data, sem custos.

Quem estiver disposto a ir à China pode ter dificuldade para conhecer pontos turísticos. A Disney de Xangai, a Cidade Proibida, em Pequim, e partes da Muralha estão fechadas deste a semana passada. Os cassinos de Macau foram fechados na terça-feira (4) e assim ficarão por ao menos duas semanas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.