Países oferecem dinheiro para incentivar viagens durante a pandemia

Rússia, Itália, República Tcheca e Japão dão descontos para tentar aumentar o turismo interno

São Paulo

A pandemia de Covid-19 causou, de janeiro a maio deste ano, um prejuízo de US$ 320 bilhões (quase R$ 1,7 trilhão) para o setor de viagens em todo o mundo, segundo a OMT (Organização Mundial do Turismo).

Para tentar amenizar o problema, alguns países estão oferecendo incentivos para aumentar o turismo doméstico, como conceder noites grátis em hotéis ou descontos em dinheiro.

Na Rússia, o governo vai pagar parte das viagens de quem escolher passar as férias dentro do país neste ano, em vez de partir para balneários no exterior. Russos que comprarem pacotes de viagem de pelo menos cinco noites, custando a partir de 25 mil rublos (R$ 1.807), terão direito a um reembolso de até 15 mil rublos (R$ 1.084).

Mulher tira selfie em praça, com construções típicas da Rússia ao fundo
Turista se fotografa na Praça Vermelha, em Moscou, na Rússia, em 30 de junho - Alexander Nemenov/AFP

A campanha só vale para cidadãos russos e brasileiros não são permitidos no país neste momento.

Na Itália, há uma campanha específica para Palermo, válida para todas as pessoas que desembarcarem no aeroporto local —italianas ou estrangeiras.

Ao reservar pelo menos quatro noites em um hotel nas proximidades, o viajante terá uma noite grátis. Para participar da promoção, é preciso reservar o hotel por meio de uma página especial no site do aeroporto de Palermo e colocar o número do bilhete do voo.

Há ainda uma ação do governo nacional, apenas para italianos que forem viajar dentro do país. É um voucher de 150 euros (R$ 935) por pessoa para ser gasto em hospedagem —famílias podem ganhar até 500 euros (R$ 3.118) no total.

A campanha começou em 1º de julho, mas, segundo um levantamento do jornal italiano Corriere della Sera, apenas 1 em cada 4 hotéis nacionais está aceitando o voucher do governo, e, em algumas regiões, como na Calábria, não há hospedagens que participam da ação.

A Itália abriu suas fronteiras para viajantes europeus, mas turistas brasileiros ainda não são permitidos no país.

O Japão, outro país que não aceita a entrada de viajantes brasileiros no momento, lançou uma ação em 22 de julho que paga metade dos gastos diários em viagens dentro do seu território, com o limite de 20 mil ienes (R$ 1.000) por pessoa por dia. Para viagens que não incluam pernoite, é possível conseguir um desconto de até 10 mil ienes (R$ 500).

A região de Tóquio e seus habitantes, porém, estão excluídos da ação, por causa do aumento do número de casos de Covid-19 por ali —o governo teme que o aumento da circulação de japoneses na cidade promova a disseminação da doença.

Em Praga, na República Tcheca, o governo local está concedendo vouchers que equivalem a US$ 17 (R$ 90) a cada pernoite na cidade, com um limite de quatro noites, para serem gastos em atrações culturais, como museus e monumentos.

A iniciativa começou em julho e deve seguir até o final de setembro. Viajantes brasileiros não são permitidos no país.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.