Como agir em caso de violência contra a mulher

Mulheres estão sujeitas a vários tipos de violência diariamente: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial 

Todos essas formas de agressão estão enquadradas na Lei Maria da Penha

Mas, antes da denúncia, é preciso percorrer o caminho do reconhecimento do que é a violência

"A maioria dos casos não tem episódios de violência física", explica a psicóloga e doutora em psicologia forense Arielle Sagrillo

"A mulher aguenta comportamentos que não são legais porque é socializada para achar que é sua responsabilidade fazer os relacionamentos darem certo", completa

"Ao acostumar-se com a violência, nem sempre a mulher percebe o nível da agressão que está sofrendo", explica. Sagrillo dá algumas dicas para identificar comportamentos abusivos:

1

Pergunte-se: "Meu companheiro faz com que eu sinta que estou sempre fazendo tudo errado?"

2

"Ele tenta controlar minhas roupas, amizades, relacionamento familiar, redes sociais, meus estudos ou trabalho?"

Caso a resposta de alguma dessas perguntas seja sim, é possível tomar medidas. Veja como proceder:

Ligue 180

É o principal canal de orientação à mulher em situação de violência no Brasil

WhatsApp bot

Uma iniciativa do Instituto Avon, Uber, Smarkio, Decode e Wieden+Kennedy. Ajuda mulheres a entenderem a violência que estão sofrendo e redireciona para serviços especializados

(11) 94494-2415

Basta enviar uma mensagem no WhatsApp para o número acima e receber orientações sobre os recursos disponíveis para apoiá-la a sair de um ciclo de violência

Mapa do Acolhimento

A iniciativa conecta mulheres a uma rede de psicólogas e advogadas voluntárias especializadas em violência de gênero 

Guia dos serviços públicos

Veja todos os serviços públicos disponíveis para atendimento e acolhimento de mulheres no Brasil, com informações atualizadas sobre o funcionamento durante a pandemia

Apoio material

Instituto Avon e Instituto Grupo Pão de Açúcar abrem serviço para doação de cesta básica à mulheres de alta vulnerabilidade durante a pandemia de Covid-19

Casas de passagem

Em casos de violência doméstica, é possível solicitar abrigo em um lar provisório ou casa de passagem

"Essas iniciativas não mitigam o problema da violência contra a mulher no Brasil, mas minimizam a possibilidade de que essa mulher seja vitimada", diz Arielle Sagrillo

Se você é ou conhece uma mulher que esteja passando por uma situação de violência, lembre-se: a culpa nunca é da vítima e você não está sozinhha

Informe-se sobre o programa Você Não Está Sozinha:

Sua assinatura ajuda a Folha a seguir fazendo um jornalismo independente e de qualidade

Veja as principais notícias do dia no Brasil e no mundo

TEXTOS

Rebeca Oliveira

IMAGENS

Tércio Teixeira, Marlene Bergamo, Alan Marques, Ricardo Borges e Moacyr Lopes Junior/Folhapress
Unsplash
Narcissistic Abuse Rehab, UN Women, Carlotta Notaro, European Commission e Tim Pamflet/Giphy

PRODUÇÃO DE WEB STORIES

Rebeca Oliveira