A trajetória de Elza Soares

“A melhor cantora do milênio.” Assim a rádio BBC de Londres intitulou Elza Soares em 2000

Nascida e criada na favela de Moça Bonita, hoje conhecida como Vila Vintém, zona oeste do Rio, Elza foi obrigada pelo pai a se casar aos 12 anos com Alaúrdes Soares, então com 22

Um ano depois da união, a jovem foi mãe pela primeira vez. Com o marido, teve outros quatro filhos. Dois deles morreram de fome, pois o casal mal tinha como se manter

Tão precoce quanto seu casamento foi sua viuvez, aos 21. Como herança ficou com o sobrenome de Alaúrdes

Encaixotadora e conferente em uma fábrica de sabão, Elza deu início em sua carreira musical com um teste na Rádio Tupi, em 1953, no programa “Calouros em Desfile”

Em 1959, grava um disco que tinha o samba “Se Acaso Você Chegasse” –de Lupicínio Rodrigues–, música que alavancou de vez sua carreira

Já famosa, a cantora da voz rouca conheceu o jogador Garrincha (1933-1983), que, após a Copa do Mundo de 1962, no Chile, deixou a mulher para viver com ela

Elza Soares foi perseguida pela ditadura militar. Ela era mal-vista por ter gravado o jingle da campanha que levou João Goulart à vice-presidência, em 1960

Em 1970, seis anos depois do golpe que derrubou Jango, a cantora teve sua casa metralhada no Rio. Ela foi obrigada a se exilar na Itália com Garrincha

Garrincha batia em Elza. Depois de tentar ajudá-lo, sem sucesso, a vencer o alcoolismo, Elza decidiu se separar para dar um basta na violência que sofria

A artista, que era a vítima, foi acusada pela opinião pública de ter abandonado o bicampeão mundial de futebol e de ter sido a responsável pela ruína dele

Em 1986, a cantora perdeu o filho Garrinchinha em um acidente de carro –com o ex-jogador também adotou uma menina, Sara

Em parte da década de 1980 a carreira também não ia nada bem. Mas, como altos e baixos sempre fizeram parte de sua trajetória, a artista se reergueu novamente com alguns trabalhos elogiados

Em 1999, Elza caiu do palco do extinto Metropolitan. De lá para cá passou por cirurgias na coluna, tem um pouco de dificuldade para caminhar e se apresenta sentada nos shows

Em 2015, lançou  “A Mulher do Fim do Mundo” –seu primeiro disco de inéditas em mais de seis décadas de carreira

O disco foi vencedor do Grammy Latino e escolhido entre os dez melhores álbuns de 2016 pelo jornal “The New York Times"

Nele, Elza canta “Maria de Vila Matilde”, história que ela conhece bem, sobre uma mulher vítima de violência doméstica

Você sabe o que fazer em caso de violência contra a mulher?

Veja aqui

Sua assinatura ajuda a Folha a seguir fazendo um jornalismo independente e de qualidade

Veja as principais notícias do dia no Brasil e no mundo

TEXTOS

Alberto Nogueira

IMAGENS

Leticia Moreira, Acervo UH, Luiz Novaes, Fabio Braga/Folhapress, SMC, Bloco Ilu Oba De Min/Divulgação

PRODUÇÃO DE WEB STORIES

Ana Luísa Moraes