São Paulo, segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

FUTEBOL

Agnelo Queiroz e a SMPB

JUCA KFOURI
COLUNISTA DA FOLHA

Ao contrário do que informa o ministério do Esporte, a pasta chefiada por Agnelo Queiroz continua a manter relações com a agência de publicidade SMPB, de Marcos Valério.
Só neste ano, até novembro, o ministério repassou R$ 985,5 mil a esse braço do "valerioduto". De 2003 para cá, o órgão repassou nada menos do que R$ 2,45 milhões para a SMPB.
O maior pagamento aconteceu exatamente na última semana de novembro, bem depois da orientação do governo federal para que fossem interrompidas as transações com a agência.
Segundo o Sistema de Acompanhamento Financeiro do Governo Federal (Siafi), em 18 de novembro a SMPB recebeu do ministério do Esporte R$ 230,6 mil.
Recordemos que em depoimento do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares na Procuradoria da República, ele incluiu o PC do B na relação dos partidos que se beneficiaram com os empréstimos de Valério, embora não tenha explicitado os destinatários da verba.
Talvez ajude a encontrá-los saber que a SMPB subcontratou para produzir filmes para o ministério do Esporte, a produtora de Brasília Fórum TV Mais, do publicitário Dimas Thomaz, que não nega ter feito, de graça, campanhas eleitorais para Queiroz e para o PC do B, desde 1994.
Segundo os dados do Tribunal Superior Eleitoral, só em 2002, a Fórum TV Mais doou R$ 23 mil para o PC do B. Thomaz pondera que a doação não foi em dinheiro, mas em serviços. É claro que ele nega que uma coisa tenha a ver com a outra e garantiu, em conversa com a coluna, que sua agência não foi chamada para fazer trabalhos para o ministério como uma espécie de retribuição à sua generosidade. Ao contrário, diz que os fez a preços tão baixos que não os repetiria.
Fato é que a empresa recebeu R$ 173 mil para a produção de dois filmes do ministério, um estrelado por Robinho ("Barreira", da campanha "Esportes contra as drogas"), e outro pelo tenista Flávio Saretta ("Boneco").
As notas fiscais da Fórum TV Mais são sempre emitidas em favor do ministério do Esporte, aos cuidados da SMPB, que fica com 10% do valor dos serviços.
Embora a SMPB já prestasse serviços à pasta antes da gestão de Queiroz, o relacionamento da Fórum TV Mais com o órgão só se estabelece depois que o ministro do PC do B assumiu o cargo.
Foram produzidos também pela Fórum TV Mais um filme com o depoimento de Queiroz para a Conferência Nacional do Esporte, distribuído nos 27 Estados, além dos documentários sobre o programa "Esporte e Lazer na Cidade" e "2 Tempo", este usado pelo presidente Lula em visita à Suíça.
Tudo somado, os filmes renderam R$ 124 mil à produtora. Dimas Thomaz afirma que só tomou conhecimento da existência de Marcos Valério quando explodiu o escândalo do "mensalão".
Indiscutível, no entanto, é a constatação de que o ministério do Esporte é o único órgão do governo federal que ainda tem relações com a agência de Valério.



Texto Anterior: Vôlei - Cida Santos: Equilíbrio total
Próximo Texto: Panorâmica - Futebol: Real ganha a 1 sem "Luxe' no Espanhol
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.