Descrição de chapéu desemprego

Taxa de desemprego em SP sobe para 16,9% e quase 2 milhões estão sem trabalho

No Brasil, o desemprego registrou 12,6% no trimestre entre dezembro e fevereiro

Placas de emprego no centro de São Paulo - Zanone Fraissat - 3.fev.2016/Folhapress

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Cadastre-se e tenha acesso a 10 reportagens por mês. Já possui cadastro ou é assinante? Faça login.

Assine a Folha e tenha acesso ilimitado. Já é assinante? Faça login.

São Paulo

A taxa de desemprego da região metropolitana de São Paulo passou de 16,4% em fevereiro para 16,9% em março, aponta pesquisa da Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados) e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O contingente de desempregados foi de 1,86 milhão de pessoas, 59 mil a mais do que no mês anterior.  Em março de 2017, porém, a taxa de desemprego da região era maior, de 18,5%.

A taxa de desemprego aberto —pessoas que procuraram vaga nos últimos 30 dias e não exerceram nenhum trabalho nos últimos sete dias anteriores à entrevista— foi de 13,2% para 13,6%.

Já a taxa de desemprego oculto variou menos, de 3,2% para 3,3%. Esse grupo inclui pessoas cuja situação de desemprego está oculta pelo trabalho precário (o chamado “bico”) ou pelo desalento —quando não houve procura de trabalho nos últimos 30 dias, mas sim nos últimos 12 meses.

O aumento da taxa de desemprego decorreu da retração do nível de ocupação, que caiu 0,4% com a eliminação de 36 mil postos de trabalho, e da relativa estabilidade da PEA (População Economicamente Ativa) —23 mil pessoas entraram para a força de trabalho da região, alta de apenas 0,2%.

O número de ocupados foi estimado em 9,146 milhões de pessoas. 

Apenas o comércio contratou em março, com a abertura de 30 mil vagas, alta de 1,9% ante fevereiro. O emprego na construção caiu 6,3%, com 39 mil postos a menos. A indústria recuou 1,1%, fechando 15 mil vagas, e os serviços, 0,6%, com menos 31 mil postos.

Entre janeiro e fevereiro de 2018, variaram positivamente o rendimento médio real dos ocupados (0,3%) e o dos assalariados (0,9%), passando a equivaler a R$ 2.084 e R$ 2.150, respectivamente.

No Brasil, o desemprego registrou 12,6% no trimestre entre dezembro e fevereiro, segundo dados do IBGE, e a população desocupada foi de 13,1 milhões.

Relacionadas