Descrição de chapéu Eleições 2018

Bolsonaro leva facada durante ato de campanha em Juiz de Fora

O homem que esfaqueou o presidenciável foi detido; o candidato passa por cirurgia

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Cadastre-se e tenha acesso a 10 reportagens por mês. Já possui cadastro ou é assinante? Faça login.

Assine a Folha e tenha acesso ilimitado. Já é assinante? Faça login.

São Paulo e Juiz de Fora (MG)

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado na tarde desta quinta-feira (6) em ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, na zona da mata de Minas Gerais, segundo a Polícia Militar do estado.

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, após ser esfaqueado - Reprodução

O candidato era carregado por apoiadores na rua Halfeld, centro na cidade, quando foi atingido por um homem com uma faca. Depois do ataque, Bolsonaro foi retirado do local e levado à Santa Casa.

A unidade de saúde confirmou que o candidato sofreu uma perfuração na altura do abdômen. Bolsonaro passou por um ultrassom e foi encaminhado para o centro cirúrgico. O estado de saúde é estável.

A Santa Casa afirma que publicará informações mais detalhadas sobre o estado de saúde em um boletim médico.

Seu filho Flávio, candidato ao Senado pelo PSL do Rio, disse no Twitter inicialmente que o corte foi superficial e, duas horas depois, corrigiu. "Infelizmente foi mais grave que esperávamos. A perfuração atingiu parte do fígado, do pulmão e da alça do intestino. Perdeu muito sangue, chegou no hospital com pressão de 10/3, quase morto... Seu estado agora parece estabilizado. Orem, por favor!". 

A PM informa que um suspeito de ser o esfaqueador foi detido e levado à delegacia da Polícia Federal da cidade. Ele se chama, segundo a Polícia Militar, Adélio Bispo de Oliveira, tem 40 anos e é de Montes Claros, no norte de Minas.

A Polícia Federal informou que abrirá inquérito para apurar o ataque ao candidato. O órgão explicou que o presidenciável teve um ferimento superficial. 

Bolsonaro está em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, com 22%, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (5).

O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, disse à Folha que “agora é guerra” ao ser questionado sobre o ataque ao presidenciável.

Bebianno é o braço-direito de Bolsonaro e tem acompanhado todas as agendas do candidato.

Coordenador da campanha de Bolsonaro em São Paulo, o deputado Major Olímpio (PSL) diz que a segurança do presidenciável não poderia ser melhor e que a facada não deve mudar os procedimentos adotados atualmente para protegê-lo.

"Temos toda a cautela do mundo com os eventos do ​Bolsonaro. Eu participo e a Polícia Federal disponibiliza a segurança para ele o tempo todo, 24 horas por dia com ele, principalmente em ambientes públicos. Mas logicamente, como ele acaba chamando a atenção de milhares de pessoas e ele gosta de se aproximar de todo mundo, isso aumenta a vulnerabilidade."

Relacionadas