São Paulo, quarta-feira, 31 de outubro de 2001

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

OUTRO LADO

Assessor de Serra diz que interesse foi o de apurar

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O assessor de imprensa do Ministério da Saúde, João Roberto Vieira da Costa, afirmou que o único interesse do ministro José Serra, ao tomar conhecimento da denúncia relatada pela jornalista Alba Chacon, foi o de investigar o caso.
"Logo que soube da história, o ministro concluiu que se tratava de uma armação, porque conhece o caráter de Renilson Rehen e tem inteira confiança nele", declarou Costa.
Segundo ele, o lobista Alexandre Paes dos Santos passou à condição de investigado pelo fato de não ter apresentado as fitas que conteriam a gravação de uma suposta conversa na qual o secretário nacional de Assistência à Saúde, Renilson Rehen, e um outro assessor do ministro teriam pedido contribuições à campanha de Serra à Presidência da República ao representante de um laboratório farmacêutico.
Sendo assim, declarou Costa, o comportamento de Santos poderia ser caracterizado como uma tentativa de chantagem.
Sobre a suposta demora para começar a investigar o caso, Costa afirmou que levou o caso ao ministro José Serra na primeira vez que o encontrou pessoalmente, desde que tomou conhecimento da denúncia.
"No dia 19, por volta das 18h, a Alba me contou o caso. No dia 20, não falei com o ministro porque ele estava em viagem ao Ceará, na inauguração do Hospital Sarah Kubitschek", disse o assessor do ministro.
"No dia 21 (sábado), viajei para São Paulo, retornando para Brasília, no dia 25, terça-feira, no vôo das 11h23 da TAM. Na tarde daquela terça-feira, em reunião com o ministro, um subprocurador do Ministério Público e o dr. Renilson, detalhei toda a história que me havia sido contada pela Alba", disse.
Segundo Costa, "essa reunião já havia sido acertada na sexta-feira anterior". De acordo com o assessor de imprensa do ministro, "ainda na tarde do dia 25, na continuidade dessa reunião, mas sem o ministro, fui aconselhado a ligar para o Alexandre Santos e marcar uma reunião para que mostrasse a fita".
Ele prossegue: "Entrei em contato no final do dia com o Alexandre Santos, falei do meu interesse em encontrá-lo aqui no ministério", declarou.
Ainda de acordo com Costa, "ele disse que tinha um compromisso e que não poderia desmarcar. Disse que me procuraria no dia 1 de outubro, assim que retornasse de uma viagem ao exterior". Segundo o assessor, "no dia 26 pela manhã, ele me ligou de fora do país, segundo disse, e foi neste momento que foi feita, sob orientação do subprocurador, a gravação do telefonema".


Texto Anterior: Lobby em Brasília: Lobista vê perseguição da Saúde
Próximo Texto: Foi adulterada a agenda, diz APS
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.