São Paulo, terça-feira, 02 de outubro de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Congonhas e Cumbica têm movimento tranqüilo no 1 dia da nova malha aérea

DA REPORTAGEM LOCAL
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O primeiro dia de operações da nova malha aérea nacional foi relativamente tranqüilo, com 9,6% de atrasos e 12,7% de cancelamentos nos vôos nos aeroportos do país, segundo a Infraero. Em Congonhas, a estatal registrou atraso em 10% dos vôos e cancelamento em 16,6%. Em Cumbica, foram 10% e 6,3%, respectivamente.
Mesmo assim, alguns passageiros sofreram com o desencontro de informações e outros acabaram confundindo o aeroporto do qual partiriam.
As mudanças nos vôos ocorrem em razão de restrições para a operação em Congonhas. Foram proibidos nesse aeroporto, por exemplo, conexões ou escalas e vôos com raio superior a 1.000 km.
Na sexta-feira, o Tribunal Regional Federal determinou também novas restrições a Congonhas, como um limite de 130 passageiros nas aeronaves.
A Gol anunciou no sábado o cancelamento de 47 vôos permanentes e alterações de horário e aeroporto para cerca de 30. Já a TAM informou que passa a operar vôos diretos de Congonhas para 19 aeroportos -antes da restrição, eram 27.
A bióloga Paula Faria, 26, afirma que perdeu uma entrevista de emprego em razão da bagunça. Ela voltava de Foz do Iguaçu (PR) e chegou a Congonhas às 9h. Foi para Guarulhos pegar o vôo para Uberlândia, mas ele sairia de Congonhas. "Ninguém me avisou. Quem vai arcar com meu prejuízo?"
A Gol disse ter estranhado a ocorrência do problema, porque não existe vôo de Guarulhos para Uberlândia. E afirmou que está fazendo o máximo para amenizar os transtornos aos passageiros.
O ex-jogador de basquete Oscar Schmidt, 49, foi um dos que se enganaram com as mudanças. Ele ia a Salvador e teria de embarcar em Guarulhos. Só quando chegou a Congonhas, às 11h30, percebeu que estava no lugar errado. "Mas foi culpa minha, por pura inércia. Estava escrito que era Guarulhos", disse o ex-jogador, que saiu correndo para tentar chegar ao outro aeroporto a tempo de pegar o vôo, marcado para as 13h.
Parte dos problemas foi causada pela restrição ao número de passageiros determinada pelo TRF. O gerente Eduardo Kamigauti, 42, perdeu o vôo para Florianópolis. No check-in, o avião da TAM já estava com os 130 passageiros permitidos. "Isso é bem desagradável, mas não tem outro jeito." A TAM remarcou o embarque para a noite de ontem.

Trinca
Uma trinca no pára-brisa de um avião da TAM que faria o vôo 8084 -de Cumbica para Londres- levou o piloto a retornar para o aeroporto, na madrugada de ontem. O vôo foi cancelado, o que atrasou a viagem dos 135 passageiros.
Segundo a empresa, não houve risco, uma vez que o vidro é formado por três camadas e a trinca atingiu só uma delas. A decolagem foi à 0h50, e o pouso, às 2h16. As causas da trinca no vidro não foram informadas.


Texto Anterior: FAB quer evitar levar discussão à Justiça comum
Próximo Texto: Procon de SP multa a TAM em R$ 987 mil
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.