São Paulo, quarta-feira, 15 de agosto de 2001

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

VIOLÊNCIA

Redução pela metade desse tipo de crime foi detectada em junho, após fechamento de caixas eletrônicos na madrugada

Sequestro relâmpago cai após "apagão"

DA REPORTAGEM LOCAL

O número de sequestros relâmpagos caiu quase pela metade em São Paulo em junho, após 20 dias de "apagão" noturno -das 22h às 6h- na rede de caixas bancários eletrônicos 24 horas por causa do racionamento de energia.
Nesse mês, se comparado com o mesmo período em 2000, houve 46 casos a menos registrados pela Polícia Civil na capital, o que representou queda de 46,19%.
Os dados são da 3 Delegacia de Patrimônio do Depatri (Departamento de Investigações sobre Crimes Patrimoniais), especializada em monitorar esse tipo de crime.
"Sequestro relâmpago" é como ficou conhecida a modalidade de assalto em que a vítima fica detida, geralmente no próprio carro, enquanto o ladrão retira dinheiro de caixas eletrônicos.
A estatística do mês de julho, que poderia confirmar a tendência, não está pronta. Deve ser divulgada no início de setembro.
Mas, para o delegado Valter Sergio de Abreu, 38, da 3 Delegacia de Patrimônio, a queda está associada principalmente ao não-funcionamento dos caixas durante a noite, no horário mais crítico de ação dos assaltantes.
Entre 21h e meia-noite, aconteciam 32% dos casos de sequestros relâmpagos na capital até a entrada em vigor do racionamento de energia e do fechamento dos postos de auto-atendimento bancário. ""Evidente que, se os caixas ficam fechados, os crimes não vão ocorrer", afirmou Abreu.
Em média, os meses deste ano vinham registrando tendência de queda de 20,5% nesse tipo de crime, comparando-se os respectivos períodos deste ano com 2000. Junho, o primeiro mês de "apagão", supera esse número.
A explicação para a diminuição mensal dos casos, segundo o delegado, está relacionada com campanhas de esclarecimentos feita por bancos e pela própria polícia mais operações específicas em regiões de risco de assalto.
Este ano, no primeiro semestre, ocorreram 897 sequestros relâmpagos na capital, contra 1.128 no mesmo período de 2000.
Segundo levantamento da delegacia, que reúne dados de crimes nos últimos 18 meses na capital, 66,67% das vítimas foram atacadas em caixas eletrônicos que estão em vias públicas.
Em segundo lugar aparecem os postos bancários dentro de shoppings (27,9%).



Texto Anterior: Há 50 anos
Próximo Texto: Violência: Ex-prefeito é preso após tentativa de assalto
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.