São Paulo, quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Polícia volta a apurar extorsão no caso BC

Corregedoria reabriu inquérito que investiga policiais acusados de cobrar dinheiro de ladrões do Banco Central de Fortaleza

A Justiça Federal do Ceará aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público contra 23 pessoas ligadas ao assalto realizado em 2005

KLEBER TOMAZ
ANDRÉ CARAMANTE
DA REPORTAGEM LOCAL

A Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo reabriu ontem a investigação sobre a suposta extorsão realizada por dois policiais contra dois dos acusados de furtar os R$ 164,8 milhões do Banco Central de Fortaleza, em agosto de 2005. O órgão suspeita que haja mais policiais civis envolvidos no crime contra a dupla de ladrões do BC.
Em outubro de 2005, a polícia prendeu o ex-escrivão policial Renato Cristovão, o Franga, e o agente policial do 43 Distrito Policial Sérgio Antonio dos Santos por participação no seqüestro e na morte de Luiz Fernando Ribeiro, o Fê, que foi investigado pela Polícia Federal por ter financiado o túnel usado no furto com R$ 300 mil.
O outro suspeito de ligação com o furto ao BC que teria sido extorquido por policiais do chamado outro PCC, os "policiais civis corruptos", como são tratados os suspeitos pela corregedoria, é Pedro José da Cruz, o Pedrão. Preso, ele não reconhece quem o extorquiu.
O caso foi retomado a pedido do delegado corregedor Rui Estanislau Silveira, que designou a delegada da 2 Divisão de Crimes Funcionais, Camila Camargo Ferraz, para presidir o novo inquérito. Também será investigada a possível ligação dessa extorsão com a revelada recentemente pela Polícia Federal: policiais civis da região do ABC exigiram R$ 450 mil para não prender Raimundo Laurindo Barbosa Neto.
Mesmo com a extorsão, em setembro, durante a "Operação Facção Toupeira", da PF, Neto foi preso sob acusação de furtar o BC. Ontem, o delegado da corregedoria Fernando Costa Azevedo ouviu na prisão de Fortaleza o advogado Edson Campos Luziano e a mulher de Neto, que confirmaram a extorsão, mas sem dizer quem a fez. O advogado teria entregue o dinheiro aos policiais.

Denúncia acatada
No dia 13, a Justiça Federal do Ceará aceitou a denúncia, feita pelo Ministério Público Federal, contra 23 pessoas envolvidas com o assalto ao BC. Dos citados, seis participaram diretamente do furto ao caixa-forte do banco. Os demais usufruíram ou ajudaram na lavagem do dinheiro. Dos denunciados, nove são da mesma família Laurindo.


Colaborou KAMILA FERNANDES , da Agência Folha, em Fortaleza


Texto Anterior: Polícia Federal: Dez são presos por aliciar e traficar travestis
Próximo Texto: Ex-tutor de Suzane vai depor em inquérito sobre bens da família
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.