UOL


São Paulo, terça-feira, 20 de maio de 2003

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

RIO

Suspeitas agora recaem sobre dois PMs, mas inspetor ainda é acusado de fraudar imagens do circuito interno do campus

Polícia tem 3 versão para crime na Estácio

SABRINA PETRY
DA SUCURSAL DO RIO

A polícia do Rio tem dois novos suspeitos de ter baleado no dia 5 a estudante de enfermagem Luciana Gonçalves de Novaes, 19, no campus do Rio Comprido (zona norte) da Universidade Estácio de Sá. Eles são dois policiais militares e um já está preso.
É a terceira vez, em duas semanas, que a polícia muda a versão sobre quem teria disparado o tiro que perfurou a mandíbula e se alojou na coluna cervical da jovem. A vítima pode ficar tetraplégica e seu estado é grave, segundo o Hospital Pró-Cardíaco.
Os novos suspeitos são o soldado Wiliam Andrade de Lucas, do 6 Batalhão, e um PM ainda não identificado, que trabalha com o inspetor Marco Ripper, da 16 DP (Delegacia de Polícia), na segurança do campus.
O chefe da Polícia Civil, Álvaro Lins, disse que Lucas estava no morro do Turano (vizinho à universidade) às 9h45, três minutos após o crime, e usava uma pistola .40, mesmo calibre da bala que acertou a jovem.
O soldado, que deve depor hoje na DRE (Delegacia de Repressão a Entorpecentes), está preso desde o dia 8, sob a acusação de participar de extorsões, sequestros e assassinatos de traficantes do Turano. Ele faz parte do grupo de nove PMs acusados de matar um traficante e de sequestrar duas pessoas que estão desaparecidas.
Os novos suspeitos foram apontados depois que a perícia feita na pistola do inspetor deu negativo em relação à bala que feriu a estudante. O laudo foi divulgado ontem, enquanto Ripper prestava depoimento na DRE.
Para Lins, o resultado descarta a suspeita de que o inspetor tenha feito o disparo, pelo menos com a arma que entregou -13 dias depois do ocorrido-, mas não a de que tenha participado do processo de fraude das imagens do circuito interno de TV do campus.

Hipóteses descartadas
Em duas semanas, a polícia já apresentou várias hipóteses sobre a autoria do tiro. A primeira delas foi que o disparo teria partido de traficantes do Turano. Ela foi descartada uma semana depois com a reconstituição do crime e o exame de balística do projétil, que indicaram um tiro a curta distância.
Com isso, a hipótese passou a ser a de que o tiro foi dado de dentro da universidade, por um traficante, um policial ou um segurança. Dias depois, as suspeitas recaíram sobre Ripper, que só entregou uma parte das fitas com imagens do circuito interno do campus. Ele prestou ontem seu segundo depoimento à polícia. Até a conclusão desta edição, o depoimento não havia terminado.


Texto Anterior: Periodontia: Associação fará exame gratuito amanhã e 5
Próximo Texto: Tiroteio fecha Linha Amarela
Índice


UOL
Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.