São Paulo, domingo, 31 de outubro de 2004

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Prefeitura prevê centro de cultura alemã no imóvel

DA REPORTAGEM LOCAL

O projeto da prefeitura para a "nova" casa bandeirista é transformá-la em um centro de resgate da cultura alemã. Isso porque o imóvel está tanto ligada aos bandeirantes como a outra parte, mais recente, da história de São Paulo: a chegada dos imigrantes europeus.
Segundo o geógrafo Rodrigo Martins, 25, que integra a equipe da prefeitura que encontrou o imóvel, estudos apontam o bairro Colônia Paulista, próximo à casa bandeirista, como a primeira colônia de estrangeiros a ser instalada no país, em 1829. O nome original era Colônia Alemã, mas o local foi rebatizado durante a 2 Guerra Mundial, quando Brasil e Alemanha entraram em guerra.
Em 1875, o imigrante José Reimberg adquiriu a casa, então chamada de sítio do Periquito. A compra é o documento mais antigo a fazer referência ao imóvel, que ficou com a família até 1960, quando foi vendido. O neto de José, Arcílio, mora num sítio ao lado da casa e lamenta a degradação. "Aqui era muito bem cuidado, tinha um jardim, todo cercadinho, e meu tio usava o salão para dar aulas às crianças."
A prefeitura pretende instalar no local a sede da APA da península do Bororé, cuja criação já foi aprovada no Conselho Municipal do Meio Ambiente -faltam a aprovação na Câmara e a sanção da prefeita.
Mas tudo ainda depende da aquisição do local. Segundo a administração, a empresa America Properties manifestou interesse em comprar o imóvel e doá-lo à prefeitura. Procurados pela reportagem, porém, representantes da empresa não foram localizados.

Texto Anterior: Patrimônio: Nova casa bandeirista é descoberta em SP
Próximo Texto: Duas casas estão em ruínas, apesar de tombadas
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.