São Paulo, quinta-feira, 23 de novembro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

AVIAÇÃO

Varig leiloará obras de arte para pagar parte da dívida

DA SUCURSAL DO RIO

A Varig vai levar a leilão seu acervo de obras de arte para pagar parte das dívidas com os credores. A prioridade será dada ao pagamento dos funcionários. A estimativa da Bolsa de Arte do Rio, organizadora do leilão, é que as obras possam atingir o montante de R$ 1,7 milhão.
Ao longo de sua história, a aérea reuniu um conjunto de quase 400 obras de arte, segundo o leiloeiro público Walter Rezende, mas nem todas deverão ser catalogadas a tempo para a venda, dividida em duas etapas.
As 16 principais peças serão vendidas no próximo dia 28, no Copacabana Palace. O destaque é o quadro "Baianas", de Di Cavalcanti, com lance mínimo de R$ 1,1 milhão. Segundo Jones Bergamin, da Bolsa de Arte do Rio e responsável pelo leilão, o quadro foi pintado especialmente para Ruben Berta.
A maior parte das obras, no entanto, não foi adquirida pela empresa. Muitas telas foram dadas para a companhia como retribuição pelo patrocínio para exposições no exterior. As telas estavam disponíveis nas lojas da Varig e nas salas VIP. "O escritório da Varig em Nova York ficava na Quinta Avenida. Era uma maneira de divulgar a arte brasileira", disse Bergamin.
Algumas das obras que compõem o acervo ainda estão no exterior. "A companhia só está voando para Frankfurt, na Europa. É preciso reunir o conjunto de obras que estavam nos escritórios e trazer de volta para o Brasil", disse Rezende.
Pintores de diversas escolas compõem o conjunto de obras que serão leiloadas no dia 28, como Leda Catunda, Carlos Scliar, Tomie Ohtake, Rubens Gerchman, Ascanio MMM, Juarez Machado e Aldemir Martins, entre outros. A expectativa de Bergamin é que as obras alcancem ao menos R$ 1,4 milhão.
No dia 13 de dezembro, a Varig realizará outro leilão com as obras restantes na sede da empresa. Segundo Rezende, já foram catalogadas cerca de 250 obras. "Ainda falta catalogar muitas obras, mas estimamos ao menos R$ 300 mil", disse Rezende. Fazem parte desse leilão obras de Aldemir Martins e Marília Kranz, entre outros.
Como a empresa está em recuperação judicial, a realização do leilão foi submetida à avaliação da 1 Vara Empresarial do Rio e ao Ministério Público estadual.
Enquanto a "velha Varig", parcela da empresa que carrega as dívidas, vende seu acervo para acertar as contas com os credores, a nova Varig negocia com a Infraero para ceder em caráter provisório seus espaços nos aeroportos. A empresa deve fechar até amanhã um acordo com a Infraero para ceder durante a alta temporada os espaços de check-in nos destinos em que a Varig deixou de voar com a crise.
(JANAINA LAGE)

Texto Anterior: Montadoras: Bilionário reduz participação na GM
Próximo Texto: Energia: Impasse no preço do gás pode dificultar siderúrgica no Ceará
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.