São Paulo, quarta-feira, 04 de outubro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Os artistas

Criadores com trajetórias de inventividade e contestação, como Ana Mendieta, Thomas Hirschhorn, Felix Gonzalez-Torres e Gordon Matta-Clark, estão entre os destaques

Exilada, cubana trabalhou com o corpo feminino

DA REPORTAGEM LOCAL

Escultora, performer, vídeoartista e pintora, Ana Mendieta (1948-1985) nasceu em Havana, mas viveu e trabalhou em Nova York. Enviada para os EUA aos 13 anos, a artista teve em seu trabalho forte influência do sentimento de exílio.
Entre 1972 e 1978, a cubana realizou uma série de performances em que investiga tabus sociais e transgressões. Concentrada no corpo feminino, enfoca temas como o sacrifício.
A 27 Bienal mostra fotografias e filmes em 8 mm passados para DVD. Em "Silueta", Mendieta realiza a transição entre sua terra natal e o novo lar imprimindo seu próprio corpo sobre paisagens naturais.


Texto Anterior: Perguntas e respostas
Próximo Texto: Artista criou instalações com relógios e lâmpadas
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.