São Paulo, terça-feira, 01 de fevereiro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

TEATRO

Entre as peças em cartaz na cidade está "Hurlyburly", com Ethan Hawke e Parker Posey no elenco

Hollywood vai aos palcos de NY

LUCIANA COELHO
DE NOVA YORK

Enquanto os espectadores se dirigem para suas cadeiras no pequeno Acorn Theater, em Nova York, uma bunda os contempla do palco. O dono, cujo rosto jaz entre as almofadas de um sofá, é o ator Ethan Hawke. E os glúteos em questão, fetiches à parte, são apenas uma das atrações da temporada teatral novaiorquina a colocar o espectador a míseros metros de Hollywood.
Hawke está em cartaz com "Hurlyburly" (alvoroço), comédia cáustica do americano David Rabe escrita e ambientada na década de 80. Tem como colega de cena Parker Posey, queridinha do cinema independente nos anos 90. Vê-los contracenar no palco com um bom texto em mãos torna perdoável seus últimos créditos cinematográficos (ele protagoniza "Assalto à 13 DP"; ela esteve em "Blade: Trinity" e "Tudo para Ficar com Ele").
A peça foca o relacionamento de quatro amigos cuja vida é um emaranhado de situações extremamente abusivas regadas a drogas, álcool e sexo.
Hawke é Eddie, que divide o apartamento com Mickey (o excelente Josh Hamilton, cujo rosto é familiar ao público pelas participações em seriados como "Sex and the City" e "Third Watch"). Posey é Darlene, a "namorada-dinamite" de Eddie (nas palavras dele) que resolve fazer um test-drive com Mickey. Em 1998 houve uma versão para o cinema com Sean Penn, Kevin Spacey e Robin Wright Penn.
"Hurlyburly" está na chamada off-Broadway. Não se deixe enganar pela nomenclatura: ela pouco tem a ver com a localização geográfica do teatro (nesse caso, encravado no distrito teatral de Manhattan) e indica salas com menos de 500 e mais de cem poltronas; salas com mais de 500 poltronas são consideradas "Broadway", e com menos de cem, "off-off-Broadway".
Embora as produções off-Broadway tenham ingresso mais baratos, não se tratam de encenações de segunda linha. Era off-Broadway, por exemplo, que estava em cartaz até janeiro a ótima "A Second Hand Memory", escrita e dirigida por Woody Allen.

Compra antecipada
Um elenco numeroso e cenários grandiosos, no entanto, exigem um palco maior (e um ingresso bem mais caro). As platéias, por sua vez, não costumam decepcionar -a despeito da maior disponibilidade de cadeiras, encontrar um ingresso exige planejamento meticuloso.
"Spamalot", uma das peças mais aguardadas da temporada, estréia no próximo dia 14. Um mês antes já não era possível encontrar ingressos na platéia principal para as duas primeiras semanas do espetáculo, cujas sessões vão de segunda à sábado.
A encenação é inspirada no brilhante "Monty Python e o Cálice Sagrado". As canções são do ex-Python Eric Idle, e sob a direção de Mike Nichols ("Angels in America") estão Tim Curry ("As Panteras"), Hank Azaria (de "Godzilla" e a voz de boa parte dos personagens de "Os Simpsons") e David Hyde Pierce (o Niles da série "Frasier").
Fevereiro e março, aliás, são marcados pelas grandes estréias (veja quadro nesta página). Nesses meses, será possível ver nos palcos gente como Denzel Washington, Jessica Lange e Kathleen Turner encenar de Shakespeare a Tennessee Williams.
Para quem pretende visitar a cidade nos próximos meses e não tem problemas com a língua, é recomendável comprar os ingressos de antemão, usando o cartão de crédito e a internet.
Sites como o Telecharge (www.telecharge.com), o Ticket Central (www.ticketcentral.com) e o Ticket Master (www.ticketmaster.com) funcionam como bilheterias eletrônicas por uma taxa que gira em torno de US$ 5 (R$ 13) por ingresso. Para obter informações sobre as peças, vale consultar o Playbill (www.playbill.com).
Para quem topa arriscar, o Fundo para o Desenvolvimento do Teatro (www.tdf.com) vende ingressos para o dia da apresentação com descontos que vão de 25% a 50%.
O guichê, em Times Square, funciona das 15h às 20h. Como se tratam de sobras dos teatros, os lugares às vezes deixam a desejar e nem sempre é possível achar a peça escolhida -uma lista de opções é recomendável. Mas com um pouco de sorte e disposição para a fila, pode ser um excelente negócio.


Texto Anterior: Artes visuais: Designer japonês respira Bauhaus
Próximo Texto: Documentário: Especial lista celebridades contraventoras
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.