São Paulo, quinta-feira, 01 de novembro de 2001

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

25 MOSTRA BR DE CINEMA DE SÃO PAULO

"DIAS DE CÃO"

Vencedor do Grande Prêmio do Júri em Veneza este ano, longa marca estréia do diretor austríaco na ficção

O calor chega à Viena de Ulrich Seidl

JOSÉ ROCHA M. FILHO
ESPECIAL PARA A FOLHA, EM VIENA

Os chamados dias de cão em Viena são de fato insuportáveis: o ar fica seco e a temperatura pode chegar até 38 graus. É num fim de semana desse período que seis histórias se entrecruzam. Foi com esse mote que o austríaco Ulrich Seidl, 49, tomou de assalto o Festival de Veneza deste ano, recebendo o Grande Prêmio do Júri por seu primeiro filme de ficção, "Dias de Cão" ("Hundstage").
Com formação de documentarista, Seidl vem despertando as mais acaloradas opiniões desde "Good News" (1990).
O diretor falou à Folha sobre seu método e a atual política do governo austríaco para o cinema.

Folha - Em "Amor Animal" (1995), a mistura de atores profissionais e leigos, ficção e documentário é surpreendente. Como o sr. desenvolve esse estilo em "Dias de Cão"?
Ulrich Seidl -
"Dias de Cão" é meu primeiro filme de ficção, feito parcialmente com método documental. A diferença é que nele os atores e os não-atores não interpretam a si mesmos.

Folha - Qual seria a parcela de influência dos documentários?
Seidl -
Não estabeleço uma diferença entre documentário e ficção. Comecei a fazer documentários porque eram mais fáceis de serem financiados. Mas o limite entre a atuação e entre o documental é meu maior interesse.

Folha - O material coletado para o roteiro veio de seu acervo pessoal. Como foi vertido para o cinema?
Seidl -
Essa espécie de arquivo já me acompanha há anos. Coloco numa pasta reportagens que me despertem interesse, anotações pessoais, fotos e lembranças.

Folha - Em "Dias de Cão" o corpo recebe um olhar brutal. Como descreveria essa política do corpo?
Seidl -
Meus filmes não mostram beleza, mas corpos como eles são: pessoas idosas desnudas, assim como os jovens.

Folha - A dor é um tema frequente. Estaríamos diante de um "cinema da dor"?
Seidl -
Para mim, o cinema vai além do prazer frugal e passageiro. Não se trata do limite ao que se pode submeter o espectador, mas do quanto de realidade é precisa ser para contar uma história. Mas meus filmes podem ser engraçados, sob determinado aspecto.

Folha - Como o sr. analisaria a atual política do governo austríaco em relação ao cinema?
Seidl -
É paradoxal... O governo austríaco cortou o orçamento do cinema quase a zero, embora fale-se da Áustria como um país que incentiva a cultura. Mesmo assim, o cinema austríaco está sendo bem-sucedido como nunca foi nos últimos 30 anos.


José Rocha M. Filho é jornalista e doutorando em estética fílmica na Universidade de Viena



Texto Anterior: "Carrego Comigo": Gêmeos discutem identidade
Próximo Texto: Crítica: Austríaco força o corpo em ludismo cruel
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.