São Paulo, sexta-feira, 07 de junho de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

"YANKEE HOTEL FOXTROT"

Disco foi inicialmente recusado por excesso de experimentalismo, mas faz boa carreira comercial

Wilco dá baile em gravadoras e faz melhor CD

DA REPORTAGEM LOCAL

Esta história poderia ter acontecido no Brasil. Quando, há um ano, entregou o que seria um novo álbum à sua gravadora (Reprise), a banda folk/pop/ rock norte-americana Wilco ouviu de volta um sonoro não. Os executivos queriam mudanças substanciais no disco para lançá-lo, e a recusa da banda culminou em sua demissão da Reprise.
O grupo teve de comprar o master da gravadora, por cerca de US$ 50 mil, e, sem teto nem abrigo para seu ultra-experimental "Yankee Hotel Foxtrot", acabou batendo na porta do selo Nonesuch, que, mesmo mais direcionado à música erudita, o lançou.
Resultado? O CD foi aclamado em uníssono como obra-prima e, desmentindo a máxima (brasileira) de que CD que a crítica aprova não emplaca, vendeu em uma semana 56 mil cópias, estreando em 13 lugar na parada e seguindo boa carreira comercial.
A Reprise virou a piada da temporada nos EUA, e junto dela a multinacional Warner, que, ironicamente, é distribuidora tanto daquele selo como da Nonesuch.
E essa história aconteceu no Brasil, ou quase. A Warner daqui afirmou à Folha há menos de um mês que não tinha interesse comercial no lançamento nacional do disco (os anteriores ela lançara). Mudou de idéia repentinamente nesta semana e agora diz que vai editar em julho.
Quizumbas à parte, "Yankee Hotel Foxtrot" vale em ouro a polêmica que causou. É uma guinada radical na carreira de uma banda até então marcada por um folk rock correto, daqueles redondos e quadrados ao mesmo tempo.
Foi imediata e tolamente tratado como um "Wilco visita Radiohead", apenas porque nele a banda cede à crescente retomada de detalhes progressivos no "pop-rock esquina anos 2000".
É climático, sofisticado, elaboradíssimo, quase espacial. Mas as esquisitices instrumentais repousam sobre a habitual delicadeza da banda. Melodias e vozes doces emolduram o experimentalismo -e o público sabe, sim, entender o esquisito. Agora só falta o Brasil.
(PEDRO ALEXANDRE SANCHES)


Yankee Hotel Foxtrot     
Artista: Wilco
Lançamento: Nonesuch (importado)/ Warner (nacional, em julho)
Quanto: R$ 50 (importado) e R$ 30 (nacional), em média



Texto Anterior: Crítica: Faro pop está intacto em "Auto-Fidelidade"
Próximo Texto: Outros lançamentos
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.