São Paulo, quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Vale a pena ver de novo

Sucesso no mercado de DVDs piratas antes de estrear, o filme brasileiro "Tropa de Elite" tem hoje sua primeira sessão oficial para o público, na abertura do Festival do Rio

David Prichard/Divulgação
Interpretando policiais, os atores Caio Junqueira, André Ramiro e Milhem Cortaz carregam corpo de homem fuzilado em tiroteio com a polícia numa favela carioca, em cena de "Tropa de Elite'

SILVANA ARANTES
DA REPORTAGEM LOCAL

A primeira exibição pública do longa brasileiro "Tropa de Elite", de José Padilha, na abertura do Festival do Rio, hoje, é "uma pré-estréia entre aspas", conforme define o diretor.
Previsto para chegar aos cinemas no próximo dia 12, o filme tem uma versão preliminar sendo vendida em cópias piratas em diversas capitais brasileiras desde agosto. É o primeiro vazamento de um longa nacional para o mercado pirata com tamanha antecedência à sua estréia nos cinemas de que se tem registro no Brasil.
Por isso, a expectativa em torno da sessão de hoje tem o vetor invertido, na direção do cineasta. "Vou ver as pessoas finalmente vendo o filme como ele é para ser visto", diz Padilha. Investigações da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial, no Rio de Janeiro, apontaram um funcionário de empresa de legendagem como suspeito de haver realizado a primeira cópia ilegal do longa-metragem.
Legendas de "Tropa de Elite" em inglês estavam sendo providenciadas para candidatar o filme à participação em festivais internacionais e ao lançamento em países estrangeiros.
No Brasil, o interesse que o título desperta, na opinião de seu diretor, está relacionado ao "ineditismo" de sua abordagem da violência urbana no país pela perspectiva da polícia.
A "Tropa de Elite" retratada no longa é o grupo de oficiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais da PM do Rio de Janeiro, freqüentemente acionado para invasão de favelas no combate ao tráfico de drogas.
No filme, a operação especial que envolve o batalhão é garantir que a favela do Turano, próxima de onde o papa João Paulo 2 ficará hospedado em sua terceira visita ao Brasil, não represente nenhuma ameaça à segurança do pontífice.
A corrupção dos policiais "convencionais" e a prática habitual da tortura em civis por parte dos oficiais do Bope são elementos fundamentais na história que, segundo o diretor, tem o objetivo de demonstrar as "regras do jogo subjacentes à violência urbana no Brasil".
"Tropa de Elite" não integra a competição entre longas brasileiros, que consiste numa das maiores atrações do Festival do Rio e nesta edição reúne 19 ficções e documentários.
Até o próximo dia 4, quando se encerra com o também aguardado (e não pirateado, ainda) "O Amor nos Tempos do Cólera", de Mike Newell, a mostra carioca exibirá 400 títulos nacionais e estrangeiros.


Texto Anterior: Horário nobre na TV aberta
Próximo Texto: "Nós somos levados para a violência"
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.