São Paulo, domingo, 31 de outubro de 2004

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

"PASSAGENS"

Pequeno grande filme retrata os caminhos da juventude chinesa

CLAUDIO SZYNKIER
FREE-LANCE PARA A FOLHA

Casal de garotos de cidade pequena, confuso quanto ao futuro, sai viajando pela China. São questões assim, simples, "menor", como este enredo, que fazem de "Passagens" algo grande. O tempo, a geografia, o movimento. Yang Chao, diretor, recebeu menção especial em Cannes 2004.
Veículos não param de passar por uma massa de árvores, que está lá, fixa. Alguns quadros do filme são pinturas de fato, com significância plástica, nutridas por um traço morto-vivo, beneficiado por clima e vegetação reais, que falam em idioma meio fabular.
Tempo, ora indeterminável no desenvolvimento do filme, ora morto -sendo velado nas cenas lentas-, é sempre trabalhado no âmbito da imagem. Chao reflete o tempo em cada plano, pois o tema central é a juventude em sua relação com a vida passando, na distância entre as pessoas, no tédio, nas indecisões e também no lirismo e na pureza. Chao reflete o tempo da China, que teria em sua pele um conflito do tempo, entre dois conceitos, ambos projetados em aspectos obscurantistas.
Um deles representado pelo que resiste: uma lógica familiar dura, o patrimônio arquitetônico arcaico que se delineia como labirinto lúgubre e meticulosamente desenhado. O outro, por um fluxo de coisas "modernas": o comércio ilegal nas estradas, institutos biológicos organizados de maneira não muito científica e os trens, que parecem passar pelos lugares, sem nunca parar na estação final.
Viajar pelas entranhas "arqueológicas" de um país que é o seu, em busca de algo perdido ou desconhecido, faz o filme se aproximar de "A Aventura", de Antonioni. Gus van Sant, em "Gerry", sampleava Antonioni, nos precipícios íntimos, na cadência e no aproveitamento de perímetros e geografia para os quadros. O chinês é reciclador nato, mas sua linguagem brilha com olhar apurado para o território chinês e com surrealismo próprio, impresso no estranho "roteiro de viagem" dos personagens.


Passagens
Lu Cheng
    
Direção: Yang Chao
Produção: China, 2004
Quando: hoje, às 19h30, no Frei Caneca Unibanco Arteplex (outra sessão dia 1)



Texto Anterior: 28 Mostra de cinema: Cineasta coreano registra invisibilidade dos seres à margem
Próximo Texto: "Delamu": Diretor manipula memórias para mostrar cenário isolado e arcaico
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.