São Paulo, terça-feira, 13 de junho de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Juca Kfouri

A Croácia não é sopa

Atuações de outros favoritos geraram otimismo, mas vai haver sofrimento

HÁ RAZÕES objetivas para todo o otimismo que cerca a seleção brasileira. Além da tradição, dos cinco títulos, dos mágicos do time, acrescenta-se, agora, o desempenho pífio de alguns dos candidatos ao título que já estrearam. Só que há um certo exagero na avaliação e poucos motivos, além do óbvio desejo, para acreditar que hoje a seleção ensinará aos outros como é que se joga futebol e como é que se estréia em grande estilo. Nem mesmo Parreira acredita nisso. Tanto que, prudente e realisticamente, tem falado em crescer aos poucos, como, aliás, aconteceu na Copa-2002. Quando foi, por sinal, que a seleção fez uma grande estréia em Copas? Em 1958, certamente, ao bater a Áustria (que tinha fama, mais fama que bola) por 3 a 0, e em 1970, quando goleou a antiga Tchecoslováquia por 4 a 1. Mas, em 1962, ninguém gostou dos 2 a 0 sobre o México, como não foram elogiadas as vitórias sobre a Rússia, em 1994 -também 2 a 0-, e sobre a Turquia, em 2002 -2 a 1-, com pênalti inexistente. E as referências aqui se limitam às estréias em Copas ganhas pela seleção, porque em 1974, 1978, 1986 e 1990 foram verdadeiras tragédias, jogos aborrecidos e nervosos. Não é por outra razão que se fala sempre em síndrome da estréia, principalmente entre latinos, mais chegados ao emocional do que ao racional. Não, não estou a filosofar em alemão, embora sob a inevitável influência da Escola de Frankfurt. Nem a destilar pessimismo, porque acredito piamente que a seleção derrote a Croácia, que, diga-se, não é galinha-morta. Como não acho que o bom nível da arbitragem venha a cair já neste primeiro jogo dos brasileiros. Só penso que é melhor não jogar lenha na fogueira da arrogância desmedida e que esse período de treinos não permitiu que ninguém chegasse a grandes conclusões, além da constatação de que Juninho está em ótima fase e Ronaldo não, embora o primeiro seja reserva e o segundo titular... Enfim, prepare-se para sofrer.

blogdojuca@uol.com.br


Texto Anterior: Datafolha na Copa: Para aliviar os ombros
Próximo Texto: Soninha: Sempre a 1 vez
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.