São Paulo, quarta-feira, 18 de setembro de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

RIO

Supostos cabos eleitorais trocavam propaganda de pedetista pela de petebista

Candidato é morto ao tentar evitar a retirada de cartazes

MURILO FIUZA DE MELO
DA SUCURSAL DO RIO

O advogado e candidato a deputado federal Luiz Fernando Petra Lopes de Carvalho (PDT), 36, foi assassinado a tiros na madrugada de ontem quando tentava evitar a retirada de seus cartazes de campanha de postes na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio).
A polícia acusa cabos eleitorais que estariam a serviço do candidato a deputado estadual Evaristo de Carvalho (PTB). O PDT e o PTB integram a Frente Trabalhista, que apóia a candidatura de Ciro Gomes (PPS) à Presidência.
O candidato do PTB disse estar "chocado" com o crime e que está "à disposição" da polícia. "Vou fazer tudo para facilitar as investigações, até porque não gostaria que isso tivesse acontecido comigo", afirmou ele, que ontem fazia campanha no interior do Estado.
Em entrevista à Folha, Carvalho primeiro disse que não fazia campanha na Barra da Tijuca. Depois, afirmou que faz campanha "em todo o Rio de Janeiro".
Ele disse que fez 25 milhões de cartazes e que contratou 68 pessoas para instalá-los nas ruas. Carvalho não revelou quanto pagou pelo serviço.

O crime
Petra voltava de uma festa na casa do jogador de futebol Bebeto (que jogou na seleção brasileira), acompanhado da mulher, um sobrinho e uma amiga, quando viu três homens trocando seus cartazes pelos de Carvalho, em frente ao condomínio Interlagos de Itaúna, na Barra, onde morava.
Segundo o frentista Elivan Matos de Araújo, que trabalha em um posto de gasolina próximo ao local do crime, o pedetista discutiu com os supostos cabos eleitorais e, em seguida, foi atingido por ao menos sete tiros de pistola. Os três homens fugiram em uma Kombi. O crime ocorreu por volta de 1h. Na fuga, foram deixados cartazes de Carvalho no chão.
O delegado José Renato Torres, da 16 DP (Delegacia de Polícia), na Barra da Tijuca, afirmou que intimará o candidato para que revele os nomes das pessoas. "Queremos que ele venha depor amanhã", afirmou.
O presidente regional do PTB, deputado federal Roberto Jefferson, disse que Carvalho é um "homem honrado" e que o crime foi uma "tragédia". "Não sei por que o Petra, nosso companheiro de Frente, foi discutir com esse pessoal. Em toda eleição ocorre uma briga com colocadores de galhardetes [cartazes]", afirmou.
O vice-presidente nacional do PDT e candidato ao Senado pelo Rio, Carlos Lupi, também lamentou a morte do candidato. "O PDT está chocado. Infelizmente, a política hoje se resume a candidatos abatidos a bala por motivos banais, a fraudes e a pesquisas manipuladas", disse Lupi.
O corpo de Luiz Fernando Petra foi enterrado no fim da tarde de ontem no cemitério São João Batista (zona sul do Rio).


Texto Anterior: Já são quase 300 as ações no TRE do Estado
Próximo Texto: Giro pelo país - DF: Promotoria quer investigação sobre grilagem
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.