São Paulo, terça-feira, 19 de fevereiro de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

ELETRÔNICOS

PF abre mais três inquéritos para investigar suposto contrabando

Procurador pede prisão no caso CCE

KÁTIA BRASIL
DA AGÊNCIA FOLHA, EM MANAUS

O procurador da República no Amazonas Sérgio Lauria Ferreira pediu as prisões preventivas dos sócios da empresa DM Eletrônica da Amazônia Ltda., acusada de fazer contrabando de produtos eletrônicos para se beneficiar dos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus.
Entre os acusados por crimes de descaminho [importação de mercadorias sem o pagamento de impostos" e formação de quadrilha está o presidente da CCE, Isaac Sverner, um dos principais acionistas da DM. A empresa é uma das fornecedoras da unidade de Manaus da CCE.
O despacho do procurador chegou à 3 Vara Federal com o inquérito relatado pelo delegado da Polícia Federal Anilton Roberto Turíbio. Ferreira pediu também prisões preventivas para os auditores da Receita Federal e três funcionários da DM que já estão detidos na sede da Polícia Federal em Manaus.
Ontem, a PF abriu mais três inquéritos para investigar o esquema internacional de contrabando na Zona Franca de Manaus. Um dos inquéritos investigará as ligações da DM com a CCE.
"A cada momento outras situações estão sendo averiguadas, e a CCE precisa se explicar", disse Lacerda Carlos Junior, superintendente-regional da PF.
O delegado afirmou que a Receita Federal já levantou 85 mil itens importados irregularmente pela DM, dos quais a maioria está com etiquetas da CCE. As peças foram apreendidas em Belém, Manaus e São Paulo. "Esse é o maior caso de contrabando já apurado pela PF no Brasil", disse.
Segundo as investigações da Polícia Federal, a DM supostamente importava insumos para montagem na fábrica em Manaus para ganhar a isenções de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), II (Imposto de Importação) e IR (Imposto de Renda). Nos contêineres, vinham de uma fábrica de Hong Kong peças prontas: microsystems, aparelhos de TV e toca-fitas, entre outros, já com etiquetas de ""Produzido na Zona Franca de Manaus" e da CCE.
O caso será analisado pelo juiz substituto Marcus Vinícius Reis Bastos, titular da 12 Vara Federal do Distrito Federal. Bastos, que ainda não está em Manaus, foi designado para atuar no caso pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 1 Região.
Além de Sverner, foram denunciados José Rabomysler, Daniel Lewin, David e Fisel Perl.



Texto Anterior: Opinião econômica - Benjamin Steinbruch: Eleição não é um piquenique
Próximo Texto: Outro lado: "Faltou direito de defesa"
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.