São Paulo, quinta-feira, 29 de abril de 2004

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MERCADO

Pão de Açúcar vende mais e lucra menos

ADRIANA MATTOS
DA REPORTAGEM LOCAL

Resultados apresentados ontem pelo grupo Pão de Açúcar, a maior empresa do setor supermercadista no país, mostram redução no lucro líquido e no lucro operacional, mas elevação nas vendas de janeiro a março, em relação a igual período de 2003.
Um dos detalhes interessantes do balanço, no entanto, tem relação com o perfil da venda realizada -na comparação entre vendas de alimentos e itens não-alimentícios na rede.
Nas mesmas lojas que a empresa possuía no ano passado (exclui inaugurações, que podem inflar o resultados) houve queda de 1,8% na venda de alimentos, mas um aumento de 6% entre as mercadorias que não são alimentos (têxteis, eletrônicos).
Isso pode ocorrer porque a base de comparação desses itens não-alimentos é baixa. No ano passado a demanda por essas mercadorias despencou.

Cifras
A companhia informa que o lucro líquido no 1 trimestre somou R$ 27,9 milhões, sendo que, nos mesmos meses de 2003, o volume alcançou R$ 40,6 milhões. Isso representa uma queda de 31,3%. Em seu balancete trimestral, o grupo lembra que ao excluir os números da rede Sendas (comprada no ano passado) o lucro sobe e atinge R$ 36,5 milhões.
Mas ainda é inferior ao apurado no ano passado.
O Pão de Açúcar é dono de diferentes cadeias: Extra, CompreBem Barateiro, Extra Eletro, Sendas e Pão de Açúcar.
As vendas líquidas somaram R$ 3,4 bilhões de janeiro a março, um resultado 10% além do verificado em iguais meses de 2003.
Hoje, a Abras, a associação que reúne os supermercadistas no país, apresenta o ranking nacional do setor. A expectativa é que o grupo continue à frente de seu arqui-rival, o Carrefour.


Texto Anterior: Conjuntura: Cresce intenção de contratar na indústria
Próximo Texto: Vizinho no escuro: Argentina terá racionamento de luz
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.