São Paulo, quinta-feira, 26 de janeiro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

AUTOMOBILISMO

Equipe lança modelo RA106 na Espanha

Barrichello exige e reclama para emplacar como 1 piloto na Honda

RICARDO PERRONE
ENVIADO ESPECIAL A BARCELONA

Após seis anos como a segunda voz entre os pilotos da Ferrari, Rubens Barrichello fala grosso em seu início de trajetória na Honda, que lançou ontem, na Espanha, o carro para o Mundial 2006 da F-1.
Agora sem ter que dividir as atenções com Michael Schumacher, Barrichello tenta se impor como primeiro piloto exigindo e reclamando mais do que seu companheiro, Jenson Button, de acordo com o estafe da Honda.
"Rubens diz firmemente o que ele quer. Se tem algo com o que ele não concorda, deixa bem claro. Mas entende quando nós explicamos porque algo saiu da maneira que não lhe agradou", afirmou Nick Fry, chefe da equipe.
"Na Ferrari, eu pedia, mas o ambiente era voltado para o Michael. Trouxe isso para mim. Saio do carro e faço meus pedidos. Isso dá status de primeiro piloto. Só que o Jenson também tem essa liberdade", afirmou o piloto brasileiro.
Na escuderia italiana, além dos problemas que teve com a cúpula, Barrichello não tinha a simpatia de alguns mecânicos e engenheiros, que o consideravam grosseiro quando fazia suas exigências.
A pose de primeiro piloto na Honda é reforçada pela numeração dos carros. O brasileiro corre com o 11, e o inglês, com o 12.
Mas ontem, primeiro dos três dias desta bateria de testes na Espanha, ele ficou atrás de Button, que fez o terceiro melhor tempo. O ex-ferrarista foi o quinto e ainda viu Felipe Massa, seu substituto no time italiano, cravar a melhor volta, com o carro de 2004 equipado com motor V8.
Os dirigentes negam que Barrichello tenha status de primeiro piloto na Honda. Como prova de tratamento igual a ambos, apontam o fato de terem levado os dois modelos que serão usados nesta temporada para a Espanha, fato raro entre as equipes que participam dos testes na Espanha.
Gil de Ferran, diretor esportivo da equipe, diz que é cedo para definir o que a escuderia fará caso um de seus pilotos abra larga vantagem sobre o outro.
O dirigente brasileiro, assim como os demais membros da Honda, diz gostar das queixas feitas por Barrichello. Avalia que, com seus pedidos, a equipe melhora.
Em lua-de-mel, Barrichello e Button apenas trocam elogios.


O jornalista Ricardo Perrone viaja a convite da Honda

Texto Anterior: O personagem: Após passar em branco, Grafite já fala em adeus
Próximo Texto: Ação - Carlos Sarli: Mundial maiúsculo
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.