São Paulo, segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MOTOCICLISMO

Rossi fica em 2 e leva o penta da MotoGP

DA REPORTAGEM LOCAL

A festa foi italiana em Sepang. Com o segundo lugar no GP da Malásia, vencido por Loris Capirossi -da também italiana Ducati- Valentino Rossi, da equipe Yamaha, conseguiu o pentacampeonato da categoria mais rápida das motos e o sétimo título de sua carreira, na madrugada de ontem.
A quatro provas do fim, o italiano chegou a 281 pontos e não pode mais ser alcançado pelo único adversário que poderia batê-lo, Max Biaggi, do mesmo país, que terminou em sexto na Malásia.
Rossi largou longe das primeiras posições, mas conseguiu se recuperar até protagonizar um pega com o líder Capirossi. Mas a Ducati, com pneus Bridgestone, rendia mais nas retas do que a Yamaha com a borracha da Michelin. Logo Rossi tratou de administrar o segundo lugar e o penta.
Foi seu quinto título consecutivo na categoria máxima da motovelocidade, feito que iguala marca do australiano Michael Doohan na antes chamada 500 cc, e o quarto desde que a categoria mudou de nome e de motor. Desde que passou a se chamar MotoGP, em 2002, só deu Rossi.
Aos cinco títulos, o italiano soma os campeonatos das 125 cc (em 1997) e das 250 cc (em 1999).
A volta da vitória foi dada por Rossi com um capacete em que se via um enorme 7, para alegria do seu fã-clube, que tinha membros vestidos de sete anões, ladeados por uma Branca de Neve.
Com seu pentacampeonato, Rossi, 26, fica atrás apenas dos oito títulos das 500 cc do italiano Giacomo Agostini e empata com Doohan. Já é o quinto piloto em número de títulos em todas as categorias, atrás de Agostini (15 títulos), do espanhol Ángel Nieto (13), do britânico Mike Hailwood e de outro italiano, Carlo Ubbiali (ambos com nove). Ele empata com os britânicos Phil Read e John Surtees, os três com sete.
Com contrato com a Yamaha até o fim de 2006, Rossi poderá melhorar suas marcas mais uma vez antes de trocar as duas rodas pelas quatro da F-1. O piloto disse ainda não ter planos para 2007, mas já fez dois testes pela Ferrari, que o deseja no cockpit.


Texto Anterior: A falta que uma estrela faz
Próximo Texto: Futebol - Juca Kfouri: De volta à trincheira
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.