São Paulo, sexta-feira, 18 de outubro de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

26 MOSTRA DE CINEMA DE SP

"DOIS PERDIDOS NUMA NOITE SUJA"

Nova York serve de palco para ação

Plínio Marcos e globalização se misturam em longa de Joffily

Divulgação
Os atores Roberto Bontempo e Débora Falabella em cena de "Dois Perdidos numa Note Suja"


DO COLUNISTA DA FOLHA

Ao levar às telas a peça "Dois Perdidos numa Noite Suja", José Joffily empreendeu uma dupla ousadia: transferiu a ação narrada para Nova York e transformou em mulher um dos dois personagens masculinos do texto original de Plínio Marcos.
No mais, a história é essencialmente a mesma: dois pobres-diabos se digladiam num cubículo imundo. Um deles, Tonho (Roberto Bontempo), ainda mantém escrúpulos e sonhos. O outro, Paco (Débora Falabella), parece já totalmente cínico e acanalhado.
Ao fazer de Nova York o palco da ação, transformando os personagens em imigrantes brasileiros ilegais, o filme traz o drama para o contexto da globalização perversa de nossos dias.
Mas essa opção, que poderia ser um fator de revitalização da obra original, acaba correndo o risco de dispersar a atenção (e a tensão) do embate central, claustrofóbico, entre os dois personagens.
Já a escolha de uma bela atriz jovem para o papel de um Paco meio andrógino, que ilude pedófilos se fazendo passar por garotinho, introduz entre os dois protagonistas um ambíguo erotismo que, se bem trabalhado, poderia levar a obra a novas direções.
Mas o fato é que alguma coisa soa falsa nessa nova configuração do drama, seja pela ingenuidade de certas falas (sobretudo de Tonho), seja pela dicção demasiado impostada com que são pronunciadas, ou ainda pelas hesitações da "mise-en-scène". Há, em suma, uma combinação mal resolvida entre naturalismo e teatralidade permeando tudo.
Não faltam boas intenções. Pelo contrário. A impressão que se tem é a de que elas foram até excessivas. Talvez esse texto exija uma certa dose de maldade para se realizar. Na falta dela, perde-se boa parte de sua terrível energia.
(JOSÉ GERALDO COUTO)

Dois Perdidos numa Noite Suja


  
Produção: Brasil, 2002
Direção: José Joffily
Com: Roberto Bontempo, Débora Falabella
Onde: hoje, às 20h40, no Unibanco Arteplex; dia 29, às 14h50, no Cinearte; e dia 31, às 19h40, no Cineclube DirecTV



Texto Anterior: "Madame Satã": Produção encena luta do desejo contra a opressão
Próximo Texto: "O Banco": Filme reduz mistérios do mercado e dos humanos a psicologia barata
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.