Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Blog resgata fotos raras e histórias de musas da pornochanchada

Publicidade

Rafael Spaca, 33, ainda era criança quando filmes da pornochanchada já eram reprisados durante a madrugada na TV aberta.

Apesar da pouca idade, a partir dessas sessões que ele via escondido dos pais, o paulistano ficou fascinado por atrizes como Nicole Puzzi.

O interesse por essas musas da década de 1970 fez com que ele desenvolvesse uma pesquisa sobre a Boca do Lixo –área na região central de São Paulo que entre os anos 1960 e 1980 foi um dos polos de produção cinematográfica mais importantes do Brasil.

Em 2011, ele decidiu contatar algumas das atrizes ícones daquela época e pedir para que elas lhe enviassem fotos de arquivo e contassem em primeira pessoa suas histórias a partir dessas imagens.

"A Boca do Lixo foi algo que me formou como público de cinema", conta Spaca. "Hoje, passo na rua do Triunfo (onde as produtoras se concentravam) e imagino como eram as coisas ali há 40 anos."

A série "5 Estrelas da Boca", que tem sido publicada no blog Os Curtos Filmes, já homenageou Nicole Puzzi, Eni Helena Novakoski, Zilda Mayo e Vanessa Alves.

Os relatos das atrizes são, em sua maioria, curtos. Mas é possível ler declarações muito pessoais de algumas delas sobre o período da Boca do Lixo.

"Hoje sinto muita falta da minha carreira e triste pelo passado que eu não soube aproveitar devido a minha imaturidade", escreve Eni Helena Novakoski, que hoje é professora de inglês e mora no Paraná.

No mês de julho, a atriz Noelle Pine, que estrelou filmes como "Perdida em Sodoma", "Paraíso da Sacanagem" e "Meu Primeiro Amante", terá seu acervo publicado on-line, fechando a série.

Leia entrevista com o criador do projeto abaixo:

sãopaulo - Por que decidiu procurar as atrizes da Boca do Lixo?
Rafael Spaca - É uma homenagem a elas. No começo do cinema nacional, os chamarizes dos filmes eram nomes como Grande Otelo e Oscarito. A partir da Boca do Lixo, as atrizes passaram a ter mais destaques e a atrair o público para o cinema. Também é uma homenagem à mulher. Observando as fotos, você vê que o padrão de beleza mudou. As fotos dessas cinco atrizes mostram que, naquela época, não havia cirurgia plástica, botox ou barriga negativa. Eram mulheres naturais que encantavam o público. O espectador via mulheres na tela que poderiam ser suas vizinhas, com um padrão de beleza possível. Hoje há um padrão de beleza absurdo.

Como foi o contato com elas?
Levei muito "não". Algumas atrizes acharam que não seria bacana dividir suas histórias. Outras ficaram lisonjeadas. A ideia era que elas abrissem seus álbuns pessoais e contassem suas histórias, do jeito que viesse à cabeça.

Na sua opinião, qual a importância da Boca do Lixo para o cinema nacional?
Apesar de haver esse olhar enviesado sobre o uso do corpo, essas são atrizes que tiveram muita determinação, que ajudaram muitos cineastas e alavancaram uma indústria. A Boca do Lixo, a partir dos anos 1970, quando começou a pornochanchada, era movimentada por essas mulheres. As produções, incluindo roteiros, eram pensadas a partir das escolhas das atrizes.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Envie sua notícia

Publicidade

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Fogão Fogão Encontre o perfeito para você, a partir de R$ 256,41

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página