Publicidade
Publicidade
Publicidade

BBC

'Propósito' em vez de 'lucro': como tornar empresa em ambiente de pessoas felizes e produtivas

Em 2012, a empresa de John de Koning fez algo surpreendente: ela decidiu que sua prioridade número um seria a felicidade de seus funcionários.

A empresa de TI (Tecnologia da Informação) Incentro, baseada em Utrecht, na Holanda, costumava operar como um provedor de serviços online tradicional, com uma hierarquia de chefes e funcionários.

Porém, após uma crise no mercado entre 2002 e 2005, a administração foi completamente transformada para ser menos pomposa e mais divertida, um lugar onde profissionais jovens, talentosos e ambiciosos gostassem de trabalhar.

Agora, a equipe inteira sabe absolutamente tudo sobre o negócio. Em vez da estrutura pirâmide, as pessoas trabalham em "células" que funcionam independentemente - grupos de 60 ou menos.

Além de organizar seu próprio trabalho, eles participam de decisões a nível de empresa e até determinam seu próprio salário.

Em vez de ter chefes ditando as promoções, cada "célula" ou time decide quando quer compartilhar informações sobre seus salários.

Quando decidem fazer isso, tomam uma decisão coletiva de quanto cada um deve receber com base no conhecimento geral da situação financeira da companhia.

"Decidimos introduzir apenas um indicador de performance, que é a felicidade dos funcionários", diz Koning, diretor da Incentro Marketing Technology.

Ao fazê-lo, o número de funcionários pulou de 40 em 2008 para mais de 300 hoje em quatro países diferentes, diz ele.

BBC Brasil
Felicidade no trabalho está diretamente ligada aos lucros das empresas, apontam pesquisas
Felicidade no trabalho está diretamente ligada aos lucros das empresas, apontam pesquisas

Enquanto mudanças estruturais e organizacionais podem não ser tão empolgantes quanto almoços gourmet ou videogames no escritório, a proposta da Incentro de aumentar a satisfação da equipe é adotada por um número cada vez maior de companhias - tanto que há um nicho em crescimento de consultores de felicidade no trabalho que oferecem o serviço de injetar alegria no escritório com medidas semelhantes às implementadas na Incentro.

Então estamos testemunhando uma onda de idealismo nos escritórios? Não exatamente. Pesquisas indicam que sorrisos no escritório também fazem bem para os rendimentos da companhia.

BENEFÍCIOS OBJETIVOS

Há vários benefícios em colocar a felicidade no centro das decisões de negócios, diz o economista Jan-Emmanuel De Neve, um professor do Departamento de Economia da Universidade de Oxford.

Ele se refere a um estudo de 2014 que sugere que aumentar a felicidade das pessoas no trabalha os torna mais produtivos entre 7% e 12%.

Em outro estudo, pesquisadores pegaram a lista anual de "Melhores Companhias para se Trabalhar" da revista Fortune e a compararam com o desempenho de companhias bem-sucedidas no mercado de ações.

Eles descobriram que as melhores empresas para se trabalhar superaram as outras e que os investidores subestimavam os valores do bem-estar dos funcionários.

É uma pesquisa importante, explica De Neve, porque mostra que os potenciais custos de aumentar o bem-estar são compensados por maior produtividade e melhor performance.

Consultorias que prometem levantar o astral do espaço de trabalho estão se especializando em um grande mercado em potencial.

No seu trabalho para o último Relatório de Felicidade Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU), De Neve descobriu que menos de 20% das pessoas no mundo estavam ativamente engajadas em seus empregos e 20% estavam ativamente desengajadas.

Engajamento ativo é mais do que uma mera satisfação no emprego ou ter um emprego em primeiro lugar, explica ele - é "estar positivamente absorvido pelo trabalho que você desempenha, identificar-se com ele e promover a missão da empresa para a qual você trabalha".

Um estudo britânico de 2016 usou dados de dezenas de milhares de pessoas que marcavam sua sensação de satisfação em diferentes momentos do dia em um aplicativo de smartphone, classificando 39 atividades em termos de níveis de felicidade.

Dessas 39, a que dava mais satisfação era "fazer amor", seguido de "ir ao teatro ou um show"; trabalho pago estava em penúltimo lugar - uma posição acima de ficar doente de cama.

Então o que deixa as pessoas tão infelizes? De acordo com pessoas que mudam de carreira e outras pesquisas do tipo, tem a ver com a falta de propósito e significado no trabalho e uma sensação de este está afetando demais outros aspectos da vida.

QUANDO O TRABALHO É LABUTA

Mais de mil pessoas descontentes gastaram duas mil libras (R$ 8.250) cada para fazer um curso de 12 semanas da Escape the City, uma consultoria de treinamento e recrutamento com base em Londres e Nova York.

"Os cursos são feitos para ajudar as pessoas a sair da inércia ou a começar um negócio", diz o cofundador Dominic Jackman.

Geralmente os participantes têm entre 27 e 35 anos, a maioria é mulher e estão em posições corporativas nas quais eles sentem que seu emprego não tem propósito, diz Jackman.

Muitos entraram em grandes companhias através de esquemas entre empresa e universidade durante a graduação.

"Você trabalha muito, muito duro. Você é bem pago. Mas a ideia de ter um trabalho que faça você se sentir vivo o acompanha", diz ele.

Uma expectativa maior de vida e uma idade de aposentadoria mais tardia está fazendo com que a atitude das pessoas em relação ao trabalho mude.

"Você trabalhará por um longo tempo então vamos aproveitar o nosso tempo no trabalho e fazer um impacto", diz Jackman.

Os caminhos novos mais buscados por seus clientes são trabalho como freelancer, trabalhar de casa como um nômade digital, criar sua própria start-up e ter uma "carreira de impacto" com uma empresa mais voltada para o seu propósito do que para o lucro.

"Trata-se de fazer diferença na sociedade, ter um propósito e torná-lo mais sustentável. As pessoas querem trabalhar para uma empresa que torne o mundo um lugar melhor".

Mas e se mudar de carreira não for uma opção, o que as pessoas podem fazer para melhorar sua labuta diária?

PIONEIROS DA POSITIVIDADE

O salário é bem menos importante para a felicidade no trabalho do que questões relacionadas ao balanço entre trabalho e vida pessoal e ter o apoio de colegas e capital social no local trabalho, segundo a análise de dados europeus feita por De Neve.

Ter variedade de tarefas no cargo, aprender coisas e ter autonomia e controle sobre o que você faz também são questões valorizadas, diz ele.

Então o que as consultorias propõem?

De acordo com a consultoria Corporate Rebels, com base na Holanda e que ajudou a Incentro a mudar sua proposta administrativa, sua abordagem deriva de quando seus cofundadores Pim de Moree e Joost Minnaar deixaram a vida corporativa de lado para viajar o mundo coletando ideias pioneiras de como ter um ambiente de trabalho mais feliz.

De Moree diz aos seus clientes que o segredo da felicidade "envolve uma transformação de lucro para propósito, de hierarquia para rede de equipes, de líderes que dizem às pessoas o que fazer para líderes que perguntam como eles podem apoiar [sua equipe] da melhor maneira possível, de regras para a liberdade, do segredo para a transparência".

Com base no que aprenderam com líderes de negócios e empreendedores que colocaram a felicidade dos empregados no centro dos holofotes, a Corporate Rebels sugere uma administração transparente - na qual todos sabem os detalhes financeiros e operacionais de onde trabalham.

Outra dica é o trabalho com base em resultados, no qual não importa quantas horas você trabalha, contanto que você consiga o resultado certo.

As suas histórias corroboram os dados citados por De Neve sobre uma ligação clara entre o bem-estar da equipe e bons resultados financeiros.

"O nível de bem-estar dos funcionários deve ser medido sistematicamente e colocado na primeira página do relatório anual dos acionistas", diz ele. "Seria uma informação contundente sobre como está indo uma empresa e como ela irá no futuro".

"Há uma reflexão filosófica sobre se cuidar do bem-estar da equipe é a coisa certa a se fazer, mas há também benefícios objetivos imensos".

Publicidade
Publicidade
Publicidade