Publicidade
Publicidade
Publicidade

grande são paulo

Boa fama de São Caetano gera disputa por imóvel

O mercado imobiliário em São Caetano do Sul é influenciado pela boa fama da cidade, que lidera rankings de qualidade de vida.

O município tem o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país, PIB per capita de R$ 102,7 mil (a média nacional é de R$ 30,4 mil) e 100% dos domicílios com infraestrutura básica.

Esses números fazem com que os 15 quilômetros quadrados de área da cidade sejam disputados por incorporadoras interessadas em construir novos empreendimentos. Os índices também ajudam a explicar porque a maior parte desses lançamentos é vendida rapidamente.

Em menos de um mês, a construtora MZM comercializou 80% das unidades do Kennedy Park Home, no bairro Boa Vista. O condomínio tem 108 imóveis de 65 metros quadrados, vendidos por em média R$ 430 mil.

"Mesmo em época de crise os empreendimentos vendem rapidamente. Isso reflete o interesse dos consumidores em morar no município", afirma Thiago Magnani, diretor comercial da MZM.

A receita do sucesso é tão garantida que a MZM lançou três prédios em São Caetano entre outubro de 2016 e novembro deste ano. "Aproveitamos os raros terrenos disponíveis e lançamos empreendimentos de perfis variados, desde estúdios até apartamentos grandes", diz.

Rafael Roncato/Folhapress
SAO CAETANO DO SUL, SP, BRASIL, 14.12.2017: Thiago Dantas de Oliveira Lima, 35 anos, e a esposa mudaram para o apartamento novo, de 80 metros quadrados da construtora MZM, há dois meses, quando as crianças chegaram. A ideia é aproveitar os serviços públicos da cidade, como educação para as crianças e saúde para a família. A qualidade de vida foi o que motivou a mudança da família. Foto: Rafael Roncato/Folhapress, SUP. IMOVEIS // MORAR) ***EXCLUSIVO FOLHA****
Adriana Guedes e Thiago Dantas de Oliveira Lima com os filhos gêmeos Thomas e Davi

O gestor de negócios Thiago Dantas de Oliveira Lima, 35, foi um dos compradores de um apartamento da MZM.

Ele e a mulher, Adriana Guedes, moravam no bairro do Sacomã, em São Paulo. "Escolhemos São Caetano do Sul pela boa infraestrutura de educação, saúde e segurança", diz Lima. A mudança há dois meses coincidiu com o nascimento dos gêmeos Thomas e Davi.

O novo imóvel é mais espaçoso que o antigo -tem 79 metros quadrados contra 54 do anterior. "Um imóvel do mesmo tamanho custaria bem mais caro em São Paulo", afirma Lima.

VALORIZAÇÃO

Mesmo custando menos do que em São Paulo, o metro quadrado de imóveis novos em São Caetano é o mais caro da região composta por ABCD, Osasco e Guarulhos, de acordo com estudo da VivaReal com números dos últimos três anos.

Enquanto na cidade um apartamento novo custa, em média, R$ 6.900 o metro quadrado, em São Bernardo custa R$ 5.483 e, em Osasco, R$ 5.717. São Caetano também teve o menor número de unidades lançadas no período: 1.361 imóveis em 14 empreendimentos.

Para Nilson Colombo, proprietário da WP Criativa, agência especializada em marketing imobiliário, com menos locais disponíveis para construção é natural que a oferta seja menor, e o valor do metro quadrado aumente.

"São Caetano do Sul tem um décimo da área da vizinha Santo André, por exemplo. Além disso, as leis de zoneamento são rígidas e por vezes protelam os lançamentos", afirma Colombo.

Mesmo assim, segundo ele, a cidade é uma das mais procuradas pelas construtoras na região. Pessoas do ABC que querem mudar de município almejam o local, que também atrai moradores da capital em busca de qualidade de vida. "São Caetano está na mira das construtoras e dos consumidores", diz.

A Gafisa também apostou no potencial da cidade e lançou o empreendimento Moov Espaço Cerâmica em setembro. Das 396 unidades disponíveis, 391 já foram comercializadas. Os apartamentos de 56 metros quadrados e 68 metros quadrados custam a partir de R$ 360 mil.

Publicidade
Publicidade
Publicidade