Publicidade

Por mais liberdade, jovens escolhem pagar aluguel em vez de comprar imóvel

O sonho da casa própria, um dos chavões usados para versar sobre os anseios do brasileiro, parece não ser mais tão importante para a geração recém-saída da casa dos pais.

Uma parte desse grupo, mesmo tendo dinheiro suficiente para comprar um imóvel, prefere pagar aluguel.

O que justifica esse comportamento é a vontade de, numa sociedade cada vez mais dinâmica, não ter de ficar preso a um endereço por muitos anos, cenário provável em financiamentos residenciais longos.

É o caso do administrador de redes Denílson Carvalho Coutinho, 29, que, desde que saiu da casa da família, no Grajaú (zona sul de São Paulo), há cinco anos, já está em seu terceiro apartamento alugado.

Ele teria dinheiro para comprar um imóvel, porém prefere gastá-lo com viagens e cursos, mas, sobretudo, valoriza a liberdade de poder se mudar sempre que quiser.

"Eu prefiro ter mobilidade. Moro em um lugar e, quando se encerra o contrato de aluguel, posso ir para outro se precisar, se não tiver gostado muito do bairro. Não fico atrelado a um local só", diz.

Patrícia Stavis/Folhapress
Denílson Carvalho Coutinho, 29 em seu apartamento, na zona sul de SP
Denílson Carvalho Coutinho, 29 em seu apartamento, na zona sul de SP

As mudanças de Coutinho se deram por causa de trocas de emprego. Quando trabalhava na região da avenida Paulista (centro da capital), vivia por lá. Hoje, seu emprego é no Morumbi (zona oeste) e, por isso, se mudou para a Granja Julieta, bairro mais próximo, na zona sul.

"Não estou sempre no mesmo trabalho e, alugando, posso sempre escolher viver perto do emprego", afirma. Segundo Coutinho, ele só pensa em comprar um imóvel quando formar uma família.

Para Laura Kroeff, vice-presidente da Box 1824, agência que pesquisa de tendências e consumo, especialmente da população jovem, os millenials (geração nascida entre 1980 e 1994) valorizam mais o fácil acesso aos bens do que a sua posse.

"Há uma preferência pelo uso ocasional das coisas, seja alugando apartamento, carro ou até roupas", diz.

De acordo com ela, isso está atrelado à percepção de liberdade e a uma nova lógica da sociedade, mais interligada, em rede, de forma que tudo pode ser compartilhado com mais facilidade.

É o que diz também André Penha, fundador da imobiliária digital Quinto Andar.

"Para gerações anteriores, que moram no mesmo lugar por 40 anos, fazia todo o sentido ter um imóvel. Hoje em dia há mais necessidade de mobilidade. Você passa a ganhar mais e vai para um lugar mais sofisticado, depois perde o emprego e precisa ir para um mais compacto. Também muda-se muito mais de cidade", afirma ele, que mora de aluguel.

Foi exatamente uma mudança de cidade um dos motivos que levaram a gerente de suprimentos Thais Proença Bessa Dias, 34, a não querer comprar um apartamento quando veio do Rio para São Paulo, há cerca de um ano.

"Eu não queria fazer nenhum investimento desse tamanho sem conhecer bem a região", conta.

Ela preferiu pôr suas economias no mercado financeiro e também cita a maior facilidade de trocar de endereço como principal motivo por optar pelo aluguel.

"Vale a pena [alugar e não comprar] porque a liquidez de um imóvel próprio é muito baixa. Não há flexibilidade se eu precisar me mudar", diz.

Patrícia Stravis/Folhapress
Thais Proença Bessa Dias, 34, na sua casa no Brooklin, em São Paulo
Thais Proença Bessa Dias, 34, na sua casa no Brooklin, em São Paulo

Thais vive num apartamento no Brooklin (zona sul de São Paulo), perto do trabalho, para onde vai a pé. Até por isso, também não tem carro. Por ora, não pretende comprar nenhum dos dois bens.

"Invisto meu dinheiro, faço minhas viagens, mas não tenho propriedades. Isso vale mais para gerações anteriores", afirma.

Preços de imóveis estão estagnados, mas devem voltar a subir

Num cenário de incipiente recuperação econômica, quem tem dinheiro para investir deveria priorizar a compra de um imóvel.

A opinião é de Flávio Prando, vice-presidente de intermediação imobiliária e marketing do Secovi-SP.

Para ele, o preço de imóveis em São Paulo, estagnado, passará por uma recuperação nos próximos dois anos. Ou seja, será mais difícil comprar em 2020 do que é hoje.

"Quando as vendas dão uma arrancada, o preço dos aluguéis sobe também, então a pessoa pode ficar sem saída", afirma.

Já Caio Bianchi, vice-presidente do setor de análises do grupo ZAP Viva Real, afirma que, em muitos casos, comprar ou alugar dá na mesma financeiramente.

"A decisão das pessoas acaba sendo por aspectos qualitativos", diz.

Mesmo assim, ele reconhece que a procura por locação cresceu nos últimos três anos.

"Em 2015, havia duas pessoas dispostas a comprar para cada uma que queria alugar. Hoje, inverteu", afirma.

-

QUAIS CUIDADOS TOMAR AO ALUGAR UM IMÓVEL

Pacote - lembre-se de que, além do custo do aluguel, há condomínio e IPTU. Certifique-se de que você pode arcar com todos os gastos

Negociação - se o condomínio for caro, peça ao proprietário um desconto no aluguel. Caso o imóvel fique vago, o dono terá de arcar com a taxa, e isso pode jogar a seu favor

Local - em grandes cidades como São Paulo, a mobilidade é importante. Pesquise imóveis que fiquem perto do trabalho e/ou com fácil acesso ao transporte

Vizinhança - quando você aluga um imóvel, aluga também a vizinhança. Vá ao local em diferentes horas, pergunte aos moradores o que lhes incomoda, verifique se a região tem uma boa infraestrutura, se é segura etc.

Conservação - inspecione o imóvel para verificar se as instalações estão em ordem ou se há vazamentos ou problemas estruturais

Profissional - procure uma imobiliária. Essas empresas têm a responsabilidade civil de proporcionar locação segura; caso aconteça algum imprevisto, o inquilino tem a quem recorrer

Fontes: Secovi, Quinto Andar e Zap VivaReal

-

R$ 36,45
foi o preço médio anunciado do metro quadrado de imóveis para alugar na cidade de São Paulo em março

3,64%
foi a alta acumulada no preço dos alugueis entre março de 2017 e de 2018 em SP, segundo o índice FipeZap

Publicidade
Publicidade
Publicidade