Publicidade
Publicidade
Publicidade

Carros pequenos chegam com mudanças visuais ligadas a corridas

Os compactos com visual esportivo estão de novo em alta: entre os dez hatches mais vendidos do país, seis possuem versões desse tipo. A maioria das mudanças é limitada a adesivos "Sport" pela carroceria e forrações escuras ou com tons de vermelho na cabine, sem intervenções mecânicas.

"Dá para colocar o teto pintado de preto no Up! mais simples? É claro que dá, mas isso tira a exclusividade do Pepper", afirma Leandro Oliveira, do departamento de marketing da Volkswagen, ao explicar a proposta da nova versão do hatch.

O motor é o mesmo de outros Up! TSI, o 1.0 turbinado de 105 cv. Porém, a lista de equipamentos e os adereços fazem o preço do Pepper chegar a R$ 57,9 mil -um acréscimo de R$ 4.000 sobre a versão Move, a mais simples nessa configuração.

O cliente que paga a diferença leva para a garagem um compacto com bancos revestidos de material que imita couro, pimentinhas coladas nas portas dianteiras, rodas de liga leve e os principais itens de conforto: ar-condicionado, direção com assistência elétrica e som que se conecta a smartphones, entre outros itens.

O pacote do Volks é semelhante ao oferecido pelo Fiat Argo 1.8 HGT (R$ 64,6 mil), que, além de mais espaçoso, pode ser equipado com airbags laterais.

No uso urbano e na pista, o Pepper leva vantagem. O motor turbinado convence como esportivo, embora sua proposta original seja a economia de combustível.

O Argo HGT tem basicamente os mesmos equipamentos que a versão 1.8 Precision (R$ 61,8 mil), mais discreta. A Fiat afirma que há diferença em ajustes de câmbio e suspensão, mas são pouco perceptíveis. O hatch preza pelo conforto ao rodar, com destaque para a boa acomodação no banco traseiro.

OS CUSTOS DA FANTASIA

A roupagem esportiva impacta no valor do seguro. Em um cálculo feito pela corretora Bidu, o custo médio da cobertura para um Up! Pepper fica em R$ 3.110. Na versão Take (R$ 38 mil), sem turbo, a apólice sai por R$ 2.740, uma diferença de R$ 370.

Se o motor for o mesmo e as alterações se limitarem à estética, a variação é menor. O Fiat Argo 1.8 Precision tem preço médio da apólice de R$ 2.722. Na versão HGT, o valor sobe para R$ 2.814, um acréscimo de R$ 92.

As cotações foram feitas para a cidade de São Paulo, sem considerar um CEP específico. O perfil utilizado na simulação é o de um homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho e que está contratando um seguro automotivo pela primeira vez.

Nas lojas, Fiat e Volkswagen têm obtido resultados bem diferentes. Segundo Adriano Resende, diretor de marketing do grupo FCA Fiat Chrysler, 70% dos Argo vendidos ao longo de 2017 deverão ter motores 1.0 ou 1.3. As versões HGT, com câmbio manual ou automático, devem responder por 10% dos emplacamentos. O restante ficará com a opção 1.8 Precision.

A situação se inverte no Up!: 70% dos carros vendidos são equipados com o motor 1.0 turbo, mais econômico que a versão convencional. É um sinal de que o interesse do público por esportivos de butique tende a crescer.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
DFP -->