Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

joão pereira coutinho

 

15/11/2010 - 12h30

Comer, Rezar, Vomitar

Sou um cavalheiro. E um cavalheiro faz tudo por uma dama: trava duelos, escala montanhas, enfrenta furacões e tempestades, assiste a "Comer, Rezar, Amar" e no final, com um sorriso beatífico, comenta: "gostei".

E gostei mesmo. O filme, caso não saibam, é a história verídica de uma escritora nova-iorquina que termina um casamento sem chama (1º clichê) e, disposta a encontrar-se (2º clichê), parte em busca da felicidade (3º clichê).

A escritora é Julia Roberts, que envelheceu barbaramente bem, e eu senti-me logo identificado com a personagem: no filme, Liz surge sentada no chão do banheiro, a chorar a sua sorte e a esperar um sinal de Deus. Na cama, o marido ronca.

Aconteceu-me o mesmo durante o filme: disse que ia só ao banheiro e, quando lá entrei, deixei-me cair junto ao vaso sanitário e vomitei o jantar. O filme mal tinha começado. Mas eu já sabia que também estava no sítio errado e que precisava de me encontrar.

No filme, Liz procura encontrar-se em Roma, na Índia e em Bali. No meu caso, bastava só que me deixassem ir para casa onde eu me encontro várias vezes por dia, com resultados satisfatórios.

Mas um cavalheiro resiste a tudo. Regressei à sala e contemplei: depois de abandonar o marido, Liz procura em três sítios diferentes três dimensões da sua vida em falta.

Na Itália, a comida. São planos sucessivos de massas, pizzas e copos de vinho tinto que Liz vai triturando sem sentimento de culpa. Milagrosamente, não engorda um quilo, apesar dos italianos serem o povo mais obeso da Europa. Se o filme não vencer o Oscar para melhores efeitos visuais, eu devolvo o meu cartão de sócio à Academia.

E quando Liz não come, comemos nós: postais ilustrados de Roma e Nápoles, juntamente com todos os clichês possíveis e imaginários sobre o italiano médio: gente que fala alto; que fala com as mãos; que cultiva o prazer e o nada fazer; que venera a família e as respectivas mães; e, pormenor delicioso, que não tem água canalizada nos hotéis. Chocante: Liz é uma escritora nova-iorquina, mas em Nova York pagam pior que aos cronistas de jornal.

Da Itália, Liz procura rezar na Índia. Nunca estive na Índia, mas quando lá for juro que também rezarei: para não apanhar uma desinteria mortal ou, na melhor das hipóteses, para não ser atropelado por uma vaca sagrada. Liz recolhe-se num templo e procura, como se diz, "iluminação". Não é fácil: apesar do crescimento econômico imparável, a Índia continua com sérios problemas na sua rede elétrica.

Felizmente, existem velas, muitas velas, e um velho sábio que dá a Liz o conselho de uma vida. Qual é? Bom, também eu gostaria de saber qual é, mas nesse momento estava a roer as unhas (dos pés).

E Bali? Bali é um encanto, sobretudo quando os terroristas da rede Al Qaeda não estão a plantar bombas no lugar; ou quando não existem tsunamis; ou quando não existem surtos de malária; ou quando não há golpes de Estado. Nada disto favorece o tipo de equilíbrio que Liz procura.

Mas Liz encontra esse equilíbrio graças a um curandeiro local, rigorosamente desdentado, que lê as mãos dos turistas e, aposto, espera que um deles lhe ofereça uma dentadura postiça.

Liz, ingrata, esquece-se da dentadura no momento da despedida, mas não se esquece do amor que encontrou: um guia turístico interpretado por Javier Bardem, o espanhol mais espanhol que conheço. Difícil encontrar ator no mercado com feições tão aparentadas a um touro. Dá quase vontade de pegar na capa, na espada --e trespassá-lo.

E quando as luzes da sala se acendem, que posso eu dizer? Sim, que "gostei", e com essa palavrinha inocente e mentirosa comprar sossego para os próximos dias.

Mas, aqui entre nós, que ninguém nos ouça, "Comer, Rezar, Amar" não é apenas uma brilhante nulidade como objeto fílmico. É, pior que isso, mais um tratado desonesto sobre a natureza da felicidade.

Não tenho tempo nem espaço para elaborar longamente sobre essa natureza. Mas sempre digo que a "felicidade" não é um lugar a que se chega; nem sequer é um "estado de espírito" que seja possível manter pela eternidade. É, tão somente, aquilo que existe quando não estamos a pensar no assunto.

O que significa que ela é temporária, intermitente e, na maioria das vezes, contingente. Não se procura; encontra-nos. Estar preparado e grato para esse encontro já é um milagre da existência. Exigir mais é, paradoxalmente, uma forma de nos condenarmos à infelicidade.

Mas nada disso se aplica ao caso de Liz. Quando a vemos, no final do filme, viajando de barco a caminho do pôr-do-sol, lembramos imediatamente a velha frase de Flaubert sobre as felicidades eternas. "Ser estúpido, egoísta e ter boa saúde são três requisitos para a felicidade, mas se a estupidez faltar está tudo perdido."

Por aquilo que vi de Liz, posso garantir que o futuro dela será risonho.

joão pereira coutinho

João Pereira Coutinho, escritor português, é doutor em Ciência Política. É colunista do 'Correio da Manhã', o maior diário português. Reuniu seus artigos para o Brasil no livro 'Avenida Paulista' (Record). Escreve às terças na versão impressa e a cada duas semanas, às segundas, no site.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Prisioneiras

Prisioneiras

Drauzio Varella

Comprar
Os 13 Porquês

Os 13 Porquês

Jay Asher

Comprar
Indefensável

Indefensável

Paulo Carvalho, Leslie Barreira Leitão, Paula Sarapu

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página