Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

julia sweig

 

04/07/2012 - 03h00

O Brasil pode ter tudo?

Do ponto de vista de Washington, preocupada com suas próprias questões, a crise política no Paraguai poderia igualmente estar acontecendo em Marte.

Depois do ferimento em grande medida autoimposto que Obama sofreu em Cartagena --e do escândalo decorrente da débâcle envolvendo o Serviço Secreto--, esta administração quer distância de mais um golpe, impeachment ou interrupção constitucional nas Américas.

O pensamento é o seguinte: com história, dinheiro, energia e liderança em jogo, o Paraguai é um problema para o Brasil resolver, e graças a Deus por isso.

Deixando de lado comparações com Honduras, o drama mais interessante é como o Brasil usará a crise em Assunção para institucionalizar a afirmação --que vem sendo feita desde o primeiro mandato de FHC-- de que a América do Sul é a âncora estratégica do país em sua política externa, que desde então se tornou verdadeiramente global.

O timing pode mesmo ser tudo. Em questão de semanas, o Brasil ampliou em muito seu potencial comercial e diplomático. Ao assumir a presidência rotativa do Mercosul, a deposição de Lugo e a suspensão do Paraguai deram ao Brasil (e à Argentina) uma oportunidade espantosa para buscar a entrada formal da Venezuela no Mercosul.

Puxar a Venezuela para dentro da tenda do Mercosul é mais "realpolitik" que ideologia. A analogia é imperfeita, mas em 1950 houve oposição considerável na Europa ocidental à sugestão de Jean Monnet de que a França formasse uma união siderúrgica com a Alemanha.

Mais de 60 anos depois, a ideia de que a integração econômica pode servir para abrandar conflitos, de que trazer o "bad boy" da região para dentro da tenda é mais administrável que deixá-lo atirar pedras do lado de fora, com certeza faz parte do cálculo de Brasília.

A lógica: o Mercosul é menos patronagem ou recompensa política que fonte de influência de caráter estabilizador. E isso também é bom para os negócios, e não só os brasileiros.

E, contando com a presidência do Mercosul até o final de 2012, o Brasil será obrigado a focar na América do Sul durante a transição delicada pré e pós-eleições da Venezuela, em outubro.

Com a eleição americana apenas algumas semanas mais tarde, Washington vai contar com o Brasil (e também com a Colômbia) para prever e administrar quaisquer problemas decorrentes de potenciais tumultos em Caracas.

Nesse moto-contínuo de idealismo e realismo na política externa, o Brasil parece estar buscando um equilíbrio frágil: opondo-se a forças políticas antidemocráticas em um ambiente multilateral, protegendo seus interesses econômicos consideráveis e afirmando seu peso diplomático na América do Sul.

Qual é o preço a pagar por querer tudo --princípios, lucro e poder? A impressão inevitável é que, por trás da abordagem consensual à liderança, característica do país, oculta-se a afirmação aberta de hegemonia que inevitavelmente acompanha a assimetria econômica.

Conseguirá Brasília encontrar o ponto de equilíbrio sem sofrer a reação contrária enfrentada por Washington no passado? Só podemos esperar que sim.

@JuliaSweig

Tradução de CLARA ALLAIN

julia sweig

Julia Sweig é diretora do programa de América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations, centro de estudos da política internacional dos EUA. Escreve às quartas-feiras, a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

As Ideias Conservadoras

As Ideias Conservadoras

João Pereira Coutinho

Comprar
Pensadores da Nova Esquerda

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton

Comprar
Tudo o que Eu vi e Vivi

Tudo o que Eu vi e Vivi

Rosane Malta

Comprar
O Caso dos Nove Chineses

O Caso dos Nove Chineses

Ciça Guedes e Murilo Fiuza

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página