Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

julia sweig

 

10/10/2012 - 03h00

Obama, o republicano

Na campanha americana, os debates sobre política externa só ocorrerão em 15 dias, mas, a não ser que Obama tenha outra noite ruim, seu histórico garante que Romney terá dificuldade em apresentar uma alternativa conservadora. Por quê?

Em política externa, Obama é o candidato republicano.

Ataques de aviões não tripulados, a morte de Bin Laden, a contrainsurgência, o aumento de tropas no Afeganistão, as sanções mais duras até agora impostas ao Irã, a intransigência (apesar de Netanyahu dizer que não) a favor de Israel, a contenção na Ásia, os acordos de livre-comércio, as oportunidades perdidas na América Latina devido às fixações ideológicas de costume.

Mesmo que os progressistas não o reconheçam mais como um deles, esses aspectos de Obama lhe garantem apoio nos dois partidos.

Excetuando o ataque contra o consulado americano em Benghazi, a atuação de Obama jogou por terra o mito, perpetuado pela ala direitista do Partido Republicano, de que os democratas são fracos em termos de segurança nacional.

O efeito político para esta eleição já se evidenciou. Para ampliar o leque de eleitores que Romney pode atrair, ele se deslocou para o centro, afastando-se dos extremos da temporada das primárias.

Em política doméstica, o republicano está falando pouco plausivelmente sobre proteger a classe média e prometendo não reduzir impostos sobre os ricos. Mas em política externa não pode se distinguir com o deslocamento para o centro, pois o centro é ocupado com firmeza por seu rival.

E posicionar-se à direita do presidente significaria cair diretamente no legado de George W. Bush. O público americano não tem desejo de (nem dinheiro para) outra intervenção como a do Iraque.

E, embora os americanos estejam decepcionados com Obama de muitos modos, não querem retornar à animosidade global da era Bush.

As divisões entre os assessores de política externa de Romney refletem isso. O contingente realista é encarnado por Robert Zoellick, que foi representante comercial dos EUA, vice-secretário de Estado e até há pouco, e representando Obama, presidente do Banco Mundial.

O outro lado é povoado pela turma (menos Condoleezza Rice) que nos deu a guerra no Iraque e suas consequências desagradáveis, turma esta mais bem encarnada por John Bolton, que ajudou a criar o argumento sobre as falsas armas de destruição em massa.

A divisão não é nova. Mas ela se torna muito mais irreparável e politicamente problemática pela atual indefinição total das divisões entre os internacionalistas do Partido Republicano e seus equivalentes que trabalham para Obama.

Talvez não seja por acaso que o candidato que já encarnou tantas identidades diferentes não seja capaz de formular um conjunto distinto de ideias na política externa.

Como que para enfatizar exatamente isso, o mais perto que Romney já chegou de definir-se em contraposição a Obama foi evocar o legado no século 20 do general George Marshall, secretário de Estado sob o democrata Harry S. Truman.

julia sweig

Julia Sweig é diretora do programa de América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations, centro de estudos da política internacional dos EUA. Escreve às quartas-feiras, a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

O Mito do Governo Grátis

O Mito do Governo Grátis

Paulo Rabello de Castro

Comprar
Um País Partido

Um País Partido

Marco Antonio Villa

Comprar
Que Seja em Segredo

Que Seja em Segredo

Vários

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página